Estou criando esse tópico pra podermos debater sobre as impressões de cada temporada de Supernatural.

Eu sempre pensei em fazer um apanhado geral de cada temporada e nada melhor do que o período de recesso entre elas.

Esse aqui vai ser sobre a primeira temporada. A que foi exibida em 2005/2006..

O tópico é aberto a todos o visitantes. Participem.. Entretanto se não quiserem participar, não desrespeitem quem está participando..

Uma coisa que eu sempre falo mas que é sempre bom lembrar: TENHAM RESPEITO COM A OPINIÃO ALHEIA..RESPEITE PRA SER RESPEITADO.. QUEM TEM EDUCAÇÃO SABE ARGUMENTAR, QUEM NÃO TEM SÓ SABE BRIGAR!!

Estão todos convidados a darem sua opinião.. Claro que não precisa ser do mesmo tamanho, mas se assim o desejarem fiquem a vontade..Prometo que leio tudo.. rsrs

Enjoy!!

A primeira temporada foi literalmente uma caça aos monstros.. Ela foi apresentada como sendo uma série de dois jovens que viajam e caçam seres sobrenaturais.

Em novembro de 1983 algo estranho aconteceu na casa da família Winchester. Algo que mudou pra sempre o destino dos membros dessa família..

Uma força do mal, desconhecida, arrancou a vida de Mary Wicnhester de forma macabra. Enquanto John Winchester, seu marido, dormia em frente a TV, Dean seu filho mais velho estava em seu quarto e seu filho caçula Samuel, dormia no berço, Mary foi jogada contra parede por uma força do mal, ficou presa e foi arrastada até o teto, foi dilacerada e depois seu corpo foi incendiado.

Isso foi tão rápido que deu tempo apenas pra que seu marido, John arrancasse Sam do berço, o entregasse a Dean mandando-o correr pra fora. John presenciou todo o terror que sua esposa viveu. O caso foi tratado pela polícia como sendo um incêndio com uma vítima fatal, entretanto os Winchester sabem que foi algo além disso.

Esse fato mudou radicalmente a vida de John, Dean e Sam. Tornou John um homem obcecado pela vingança, que ensinou para seus filhos que existem “monstros no armário” e que todo tipo de força maligna precisa ser combatida. Então os três se tornam “caçadores” e fazem disto seu trabalho, eles passam a caçar essas criaturas que infestam a Terra.

Os anos passam e cada um segue seu caminho. John se tornou cada vez mais obcecado pela vingança, Dean se torna um exímio caçador e seguidor fiel de seu pai e Sam resolveu se desligar disso tudo, dessa vida estranha. Sam segue pra faculdade, e essa decisão provoca um reviravolta em sua vida, visto que brigou violentamente com John e acaba rompendo com seu pai e seu irmão.

Em 2005, três anos após essa decisão de Sam, que estava prestes a se tornar um advogado de sucesso, eis que surge de repente em seu apartamento Dean, dizendo que o pai deles havia desaparecido numa caçada. Dean pede ajuda a Sam pra procurar o pai. Sam se recusa a principio, mas acaba cedendo e sai junto com Dean para procurar John, sob a condição que seria por dois dias apenas. Qdo ele retorna a seu apartamento, o mesmo que aconteceu com Mary, acontece com Jessica, a namorada de Sam. E então ele vivencia a mesma dor e desespero que seu pai. E novamente é salvo por Dean de morrer queimado.

A partir disso ele se junta ao irmão na busca por seu pai e acima de tudo na busca dessa criatura maligna que tanta dor e sofrimento causou a todos eles. Eles saem juntos a bordo de um Chevy Impala 1967, pelas estradas dos Estados Unidos, caçando tudo que é criatura sobrenatural que atravessam seus caminhos, ao mesmo tempo em que procuram por John. Para isso eles usam meios tecnológicos como armas munidas de sal, e tem em mãos o diário de John que dá pistas sobre o paradeiro de John e informações preciosas sobre essas criaturas do mal.

Pois bem essa foi a tônica da primeira temporada.

Em Pilot fomos apresentados a John, Mary, Dean e Sam Winchester. Vimos uma família que foi destruída.. Uma família que não era uma “família típica” depois do trágico destino de Mary Winchester..

Vimos Dean como um cara sarcástico, pinta de cafajeste, bad boy, inconseqüente e que vivia uma vida desregrada, tendo como única função caçar seres sobrenaturais.

Sam nos foi mostrado como um nerd, um garoto que fugiu dessa estranha vida e que queria ser somente um advogado, e viver com sua namorada longe de seus parentes estranhos. Ele tentava levar uma vida “normal”.

John era uma figura onipresente na vida deles..

Em seguida temos Wendigo,que nos mostra Sam em conflito, amargurado e segurando uma raiva de dar dó. Então entra em cena o irmão mais velho, o orientador, o protetor, o caçador.. É aqui que Dean fala a famosa frase que ficou marcada como a frase de Supernatural: “SAVING PEOPLES, HUNTING THINGS, THE FAMILY BUSINESS” .. Foi nesse momento que Sam percebeu o compromisso de todos eles com a causa.. Foi aqui que Sam resolveu seguir Dean, achar seu pai e matar a coisa que o destruiu como pessoa..

Em Dead in the Water, vimos um lado de Dean desconhecido até pelo próprio Sam. O lado de lutar todos os dias com os próprios demônios internos dele..Um lado sofrido, em que a falta de sua mãe o atormenta e ao mesmo lhe dá forças. Foi aqui tb que pudemos ver que Dean tinha um talento todo especial pra lidar com crianças. E segundo Jensen revelou, foi nesse episódio que ele definitivamente achou o tom que ele queria dar ao Dean, ele conseguiu “enxergar” de verdade Dean.

Seguimos com Phantom Traveller onde descobrimos que Dean tem medo de andar de avião e é onde eles tem contato com demônios pela primeira vez. Até então eram só fantasmas e criaturas sobrenaturais.

Em Bloody Mary tivemos a revelação de que Sam possuía habilidades especiais. Ficamos sabendo que nosso Sammy é um ser que carrega muita, mas muita culpa dentro dele. Pudemos descobrir que Sam é uma pessoa especial, que era mais que uma criaturinha irritante, mimada e egoísta. Sam tinha segredos e esses segredos poderiam destruí-lo. É em Bloody Mary que temos mais um segredo exposto e nunca ainda revelado: o por quê do sangramento dos olhos do Dean. Kripke ainda terá que responder isso..

Skin nos mostra um lado de normalidade da vida que Sam levava, os amigos que ele tinha o que leva Dean a achá-lo um cara muito estranho.. hehe… Isso é engraçado. O fato de ter amigos e uma vida social, é considerado estranho pelo Dean, e não o contrário..Pra Dean o estranho é ter amigos e não levar uma vida solitária.. Interessante isso…Foi aqui tb que Dean se torna procurado pela polícia.

Hook Man e Bugs foram episódios “pipoca com cerveja”, como gosta de descrever Sera Gamble.. Hook Man não acrescentou nada especial, a não ser o fato de que Sam ainda estava muito ferido com a perda da Jéssica. E em Bugs apesar de muitos o considerarem um episódio ruim, eu tiro uma parte muito importante nele: Sam fica sabendo que seu pai não o odiava, Dean revela a ele que mesmo de longe John olhava por ele, Dean mostra a Sam que John o amava e que nunca se decepcionou com ele. Esse fato deixa nosso Sammy surpreso e com mais vontade ainda de ver seu pai novamente.

E então vem Home. Nesse episódio Kim Manners se junta à equipe e a série passa a ter outro enfoque, a ter outro destaque, mesmo que de forma sutil. Manners e Kripke resolvem investir pesado no arco mitológico e na relação familiar. Home nos mostra que os poderes do Sam era algo muito importante, que era ele o enfoque e a causa de toda aquela confusão na família. Home nos mostra um Dean frágil quando o assunto era Mary e tudo que aconteceu em Lawrence. Em Home pudemos comprovar que os poderes do Sam iriam trazer muitas surpresas e muitas revelações. E foi em Home que Dean mostrou pela primeira vez que toda aquela fortaleza era uma armadura pra esconder sua fragilidade diante de toda tragédia que se abateu sobre sua família. E aqui em Home tivemos uma amostra da importância de John Winchester pra trama de Supernatural, bem como pudemos ver que a pessoa mais sofrida nisso tudo era o próprio John, pq ele perdeu a mulher e a companhia dos filhos. Ele teve que abrir mão de algo muito, mas muito importante pra ele: a sua família.

Em seguida veio Asylum que nos mostrou um Sam cada vez mais revoltado, questionador e obcecado em achar seu pai e as respostas que ele procurava. Aqui Dean mostrou ao Sam quem estava no comando.. rsrs..Sam nesse episódio extravasou toda sua raiva, toda sua mágoa com seu pai e seu irmão. Mesmo que fosse sob o “efeito” de alguma coisa.. Pq o médico maluco lá não enfiava coisas na cabeça de ninguém ele só “liberava” o sentimento que ia no interior de cada um. E naquele momento o sentimento de Sam era de muita raiva, o que acabou levando-o a afrontar Dean daquele jeito. Mas Dean conhece Sam como ninguém e soube muito bem contornar a situação. Não deixando seu irmão ficar com mais um sentimento de culpa.

Scarecrow John dá as caras, e pudemos notar como era de verdade o relacionamento dele com Sam, mesmo que seja numa simples conversa ao telefone. Sam não aceita de modo algum tudo que seu pai impõe, ele não quer que John os trate como duas crianças que ele manda e elas obedecem. Sam quer fazer parte de tudo, já que ele foi jogado naquilo mesmo. John mostra que não vai admitir questionamentos o que deixa Sam mais revoltado ainda. Dean por outro lado aceita e não questiona as ordens do pai. Foi por causa disso que pudemos ver a primeira briga entre os irmãos. Pudemos ver a primeira desavença séria, onde depois de uma discussão cheia de acusações mútuas eles se separam e cada um segue seu rumo. Entretanto essa separação não dura muito, uma vez que Dean está em perigo e Sam com sua perspicácia e sentimento fraternal deduz que seu irmão precisa dele, e que sua teimosia e seus desejos são menos importantes que a segurança e a vida de Dean. Tb é aqui que conhecemos Meg e ficamos sabendo que ela era mais que uma garota interessante que pintou no caminho do Winchester caçula.

Faith!! Que belo episódio! Que virada no estilo de episódios exibidos até então!! Faith é um episódio muito filosófico pro estilo de Supernatural até então. Ele mostra o sentido do “viver” e do “morrer”. Mostra que a escolha pode ser o início ou o fim de algo.. Ele nos mostra que cada uma de nossas escolhas, ou de nossas ações tem uma conseqüência que atinge não só a mim, mas quem está ao meu redor tb. Quando Sera o escreveu ela mesma disse depois, que ficou temerosa de não ser bem aceito e de não contextualizar com a série. Mas o episódio foi magnífico, e Jensen mais uma vez brilhou nos conflitos de Dean. Aqui pela primeira vez Dean teve contato real com a morte, e Sam vislumbrou um pouco do pavor de um dia ficar sem seu irmão. Sam buscou uma alternativa pra irmão, mesmo que essa alternativa tenha atingido Dean como um soco no estômago. E mais uma vez Dean não deixou Sam se sentir culpado por nada. Faith é sem dúvida um dos episódios mais sutis que Supernatural já produziu.

Chegamos à Route 666, outro episódio muitas vezes massacrado pelos fãs menos atentos e mais fervorosos. Confesso que não gosto muito dele, mas não pela história, e sim pela produção mesmo. Achei que foi muito desperdiçado. Aqui fomos apresentados ao grande amor da vida de Dean, a Cassie. Uma mulher que penetrou na armadura do Winchester mais velho. Uma mulher que conseguiu chegar nas profundezas de Dean. Uma mulher que deu um belo chute no traseiro dele! Adorei o fato de Dean ter se apaixonado por uma negra, fantástico. Ela era um personagem riquíssimo, interessante e importante, uma vez que foi a única pessoa pra quem Dean revelou o que fazia. Nem Sam sabia da existência dela, nem Sam sabia que Dean tinha se apaixonado. E a cara de Sam e suas zoações em cima de Dean foram muito boas. Pois bem Cassie, tinha tudo pra se tornar uma figura importante na série e na vida dos meninos, mas a atriz conseguiu estragar tudo. A atriz foi fraca demais. Até agora me pergunto de onde veio a incompetência ali, se da atriz que era ruim mesmo ou se da direção que não soube exigir dela e fazer com ela mostrasse serviço. Entretanto Route 666 tinha uma história bacana, uma camionete fantasma e um lado muito revelador sobre um dos Winchesters. Pena que não foi bem aproveitado. Mas não entra pra lista dos dispensáveis

Nightmare talvez seja o primeiro mythologyc episode verdadeiro de Supernatural. Foi aqui que soubemos que existem mais psykids, pessoas com habilidades especiais. E que realmente Sam tinha uma participação importante nisso tudo. É aqui pela primeira vez que Dean presencia uma visão do irmão. É aqui que Sam se mostra tão assustado que dá pena. Sam fica sabendo que existe uma força muito poderosa interessada em suas habilidades e que ele não é o único. É aqui que ele fica sabendo que seus poderes podem ser mais que visões, pq aqui pela primeira e única vez ele usa a telecinesia. Sam tem uma pequena amostra do que ele é capaz e talvez meio que inconsciente ele bloqueia essas habilidades, ele se recusa a aceitá-las.. Ele só não consegue entender e controlar tudo, então de modo defensivo bloqueia. É aqui que Sam começa a se questionar de verdade. Começa a achar que ele é uma aberração e fica se questionando o porquê disso tudo. Dean apesar de apreensivo apóia o irmão, não permitindo que o pânico se instale mesmo que por dentro esteja apavorado e completamente perdido

Em The Benders vimos que nem só de demônios e criaturas sobrenaturais são a vida deles.. Nesse episódio ficamos sabendo que a maldade e a maluquice não são exclusividades de outra dimensão. Gente maluca e doida são bem reais, de carne e osso. E que eles correm perigo não só com fantasmas e sim com a vida real tb. Nesse episódio tb soubemos o quanto Dean se sente responsável por Sam. O quanto ele tem fixação por proteger Sam.

E então tivemos Shadow, um dos meus prediletos, um episódio pra ficar na memória de Supernatural. Em meio a demônios poderosos, os Daevas, eles revelam coisas importantes entre eles, e reencontram o pai. É aqui que temos reais revelações sobre Meg, o que ela quer e pra quem ela trabalha. Sam se abre, e acaba falando que odeia de verdade essa vida, que quando isso acabar ele quer sumir de novo e voltar a levar uma vida “normal”. Isso atinge Dean como nunca, pq o que Dean quer é ficar junto do seu pai e do seu irmão, mesmo que seja caçando pro resto da vida. Dean tb se abre pro Sam dizendo a ele que nada daquilo é mais importante do que sua família e que a única coisa que ele queria é voltar a ser uma família de novo, e não um bando de maluco. Que o que ele mais quer nem é demônio porcaria nenhuma, o que ele quer é John, Sam e ele juntos. Só isso. Aqui tivemos a confirmação que Dean Winchester não era aquele inconseqüente, despreocupado metido a cafajeste, e mulherengo que ele demonstrava até então. Quando eles descobrem o objetivo da Meg, a cumplicidade entre eles é maravilhosa de se ver. E então vem o reencontro com o pai. Aquele “Hey boys” do papito Winchester foi uma das coisas mais lindas ditas por alguém! Dean mal acreditando que aquilo estivesse acontecendo, Dean dando um abraço de “que bom te ver de novo” no pai. E o encontro de John e Sam é um dos momentos mais emocionantes da primeira temporada. A vontade de Sam dar um abraço no pai assim como Dean deu, a vontade de dizer ao pai “que maravilha vc estar aqui” e ao mesmo tempo ele se mantendo distante com medo da reação do seu pai. E então Dean se justificando pro pai como uma criança de 10 anos de idade, Sam impaciente pra saber o que acontece e John mostrando nos olhos um carinho enorme pelos seus filhos. Um sentimento de proteção e preocupação típico de pai. E então vem a conversa ente os dois, entre John e Sam.. A conversa que Sam tanto esperou esse tempo todo e foi uma conversa linda. Foi um pedido de desculpas entre ambos maravilhoso, os olhares que eles trocaram foi algo divino. E então o abraço. O abraço entre John e Sam, duas pessoas tão parecidas, mas ao mesmo tempo tão distantes uma da outra. Duas pessoas que se amam e se respeitam, mas que não sabem como demonstrar isso. O abraço dos dois transmite um pedido de desculpas, uma alívio, uma declaração de amor. É lindo.. E em seguida vem as criaturas malignas pra detonar com tudo. E eles são obrigados a se separar de novo. E a coisa mais surpreendente é que parte de Dean. Justo ele que queria ver os 3 juntos novamente.. E é com muita dor no olhar que ele praticamente obriga Sam a aceitar isso. E então novamente eles se separam, não sem antes vermos a Meg a analisá-los. Shadow realmente foi perfeito do inicio ao fim. Excelente..

Logo depois de um episódio denso como Shadow, tivemos Hell House , um episódio leve, engraçado e muito diferente do que estávamos acostumados a ver. Vimos as brincadeiras que eles pregavam um no outro, vimos a descontração entre eles no meio de mais uma caçada a uma coisa bizarra. Nesse episódio Deam mostrou ser uma enciclopédia ambulante do Rock’n roll.. rsrs.. E Sam mostrou que sabe ser divertido também, que ele sabe aprontar das suas.. Enfim foi um episódio pra descarregar as tensões do episódio anterior e foi um estilo legal de se ver em Supernatural: um pouco de comédia.. Valeu!!

Something Wicked vem nos mostrar mais uma vez um pouco da relação desta família. Mostra-nos um pouco da infância mais que diferente que esses meninos tiveram. Mostra-nos o quão Dean se sente responsável por tudo que acontece com Sam. E vou confessar que nesse episódio eu fiquei com uma raiva tremenda do John. Fiquei com raiva pq ele parece que se esqueceu que Dean era uma criança e criança é responsabilidade de adultos. Como ele pode deixar Dean crescer com esse sentimento dentro dele? Ele era o adulto ali, o cara que teoricamente deveria ter mais discernimento sobre as coisas. Mas enfim, não quero dizer que John foi um FDP, ou que não gosto dele, só estou dizendo que ele jogou muita responsabilidade nas costas do Dean, e que isso moldou o ser humano que Dean é hj. Moldou Dean de uma forma que muitas vezes ele sai prejudicado. Mas tb John ama esses garotos mais que tudo nesse mundo, então não quero falar mais nada. Mas esse episódio mostrou mais um lado do Dean que a gente não conhecia. O lado obediente dele em relação ao John. Mostrou pra nós e pro Sam o porquê dele obedecer sempre ao pai dessa maneira. Aqui Sam admirou ainda mais seu irmão. Mais do que ele já admirava. Sam viu que ele praticamente não conhecia nada do que Dean passava. E mostrou o quanto ele admirava o seu irmão mais velho por isso. O quanto ele era grato por tudo que Dean fez e faz por ele.

Em Provenance pudemos ver o sofrimento pelo qual ainda passava o mais novo dos Winchesters, vimos a maneira nada sutil de Dean dar uma forcinha pro seu irmão sair da fossa.. Além disso, aqui tivemos uma mistura de caçada sobrenatural com relacionamento familiar muito bacana. Dean mostrou ao Sam que ele não podia ficar naquela amargura, que ele precisava sair da toca. Dean mostrou que isso dependia só dele. Aqui Sam mostrou que ainda era a criatura mais doce que poderia existir. Que ainda era o Sammy de coração meigo e bondoso, que ainda era o Sammy que amou Jéssica mais que tudo nesse mundo. Aqui em Provenance Sam abriu seu coração e revelou o que lhe ia à alma. Revelou isso pra uma mulher tão linda e doce como ele. Foi uma cena inesquecível também.. Então vamos rumo a reta final da primeira temporada.

Chegamos em Dead Man’s Blood, chegamos na história da Colt e tudo que ela representa na mitologia de Supernatural.. Chegamos a John Winchester mais uma vez e dessa vez pra ficar. Dead Man’s nos mostra um pouco do que John buscava, do que John queria. Mostra que a busca por esse demônio era maior que qualquer coisa, mostra que definitivamente ele e Sam eram dois teimosos e obstinados e que por incrível que pareça Dean era a voz da razão nessa relação. Aqui nos mostra um pouquinho do caçador “John Winchester”. E tem uma cena linda aqui nesse episódio: quando ele conversa com Sam no quarto sobre o que ele queria pro futuro dos filhos. Foi um momento muito cúmplice entre eles, um momento íntimo entre pai e filho que se amam e se respeitam apesar de tudo. O enfoque dado ao tema vampiro no episódio foi muito bacana. O jeito de eles morrerem, de viverem e a maneira de enfraquecê-los foi muito interessante, muito mesmo. Soma-se a isso a ação dos três Winchesters juntos, ficou um episódio excelente.

Salvation … Foi aqui que vimos a primeira The Road So Far, com Carry on Wayward Son. E caiu como uma luva no episódio e na série toda. Começamos com John mostrando aos garotos tudo que havia descoberto até então e onde o demônio estava se manifestando, para onde eles deveriam ir. A ironia do nome: Salvation (Salvação)..Aqui tb conhecemos a maldade da Meg e tenho que parabenizar Nicki Aycox que fez uma Meg demo brilhante. John vai perdendo seus aliados um a um e isso o está destruindo aos poucos. Ele então decide que vai acabar com tudo aquilo com a ajuda de seus filhos e parte rumo a Salvation. Chegando lá Sam tem mais uma de suas visões, e John pela primeira vez toma consciência do que acontece com seu filho mais novo. Mas parece que ele já estava esperando por isso, uma vez que não fica assustado nem bravo, só dá uma bronca tremenda em Dean por não avisa-lo e supreendentemente Dean enfrenta o pai. Então os demos entram em ação. Eles querem a Colt. Meg então destila seu veneno e faz com que os Winchesters mais uma vez se separem. Dean e Sam ficam pra matar o demônio e John vai de encontro a eles tentando ganhar tempo. Mas tudo dá errado. John é capturado e Dean e Sam não conseguem matar o demônio, o YED. Então Sam tenta uma atitude kamikaze e é impedido por Dean. Eles ficam perdidos, e então Meg mais uma vez destila sua maldade, dizendo a Dean que ela está com John. Salvation nos mostra que os demos não estão de brincadeira, que eles matam mesmo sem só nem piedade. Que eles tem um plano e que os Winchesters estão no meio dele. E que eles não vão brincar em serviço pra atingir o que querem. Então eles tem que correr contra o tempo e lutar muito pra tentar salvarem sua família e quem sabe a humanidade. Em Salvation Sam tem mais uma de suas explosões de raiva e Dean mais uma vez abre seu coração pro irmão e consegue faze-lo raciocinar. Enfim Salvation nos deu uma amostra do que seria a season finale e o seriado dali pra frente.

E por fim Devil’s Trap . Talvez um dos mais brilhantes episódios de seriados que eu já vi. Aqui tivemos de tudo: ação, mistério, drama.. Devil’s Trap foi emoção do início ao fim. Foi aqui que conhecemos Bobby, que ficamos sabendo da Chave de Salomão e pudemos vislumbrar um pouco do que os demônios queriam com os Winchesters, ou melhor, com Sam Winchester. Desde a hora que Dean procurou a ajuda do Bobby até a hora do acidente final foi emoção em cima de emoção. As cenas em que Dean exorciza a Meg vão pra galeria de cenas memoráveis de Supernatural. Ali Sam e Bobby puderam ver até que ponto Dean iria pra salvar sua família. Ele faria qualquer coisa pra trazer seu pai de volta. Assim como demônios não estavam brincando, ele Dean também não estava. Quando eles finalmente encontram John, há uma mistura de medo e alívio. Dean não pensa duas vezes e quer tirar logo o pai dali, mas a eterna sensatez de Sam o faz desconfiar. No final das contas o demo FDP enganou os dois.. Quando Sam está apanhando do demo até quase morrer, Dean não hesita, vai lá e puxa o gatilho. Mata sem nem questionar se existia uma pessoa ali ou não. Ele mata pra salvar quem é importante pra ele. No momento ele nem pensou, ele só agiu, mas depois ele questionou isso, ele questionou até que ponto esse amor por essa família poderia ou arruína-lo ou elevá-lo. Uma cena muito bonita, mais uma entre tantas. E então entra em cena John, tentando ludibriar seu filho mais velho. Enquanto Sam sai e vai obedecer a uma ordem do pai , Dean observa bem as palavras do pai e constata que seu daddy não era aquele cara ali. Ele conhecia e conhece seu pai como ninguém e só uma pessoa muito sensível e esperta poderia descobrir aquilo que Dean notou. Então Sam chega e vê Dean apontando o Colt pra John, e fica sem entender, entretanto ali, Sam tem uma demonstração de profundo amor e respeito ao Dean. No meio de tudo aquilo, ele confia cegamente no irmão. Ele fica do lado de Dean, pq sabe que Dean jamais faria nada contra a própria família. E então o maldito YED entra em ação. Vemos que Dean tinha razão e aquele ali era um demo FDP. Os meninos então são presos e Dean é torturado, não sem antes ouvir umas verdades cruéis dita pela pessoa que destruiu sua família. Sam não consegue fazer nada e fica vendo Dean sangrar. Dean implora por ajuda a seu pai, Dean busca no fundo da alma o amor entre eles e John consegue se mostrar. Eu achei soberbo John de olho amarelo. Achei magnífica a atuação do Jeffrey, como um cara frio, debochado e sem coração, passando em seguida ao pai amoroso e atormentado. Sam se liberta e mira seu pai, dá um tiro, não pra matar, mas pra ferir, Ele fica entre John e Dean, fica entre a vingança e o amor a sua família. E então o amor a seu pai e o respeito a sua consciência vencem. Ele não atira, ele não tira a vida do seu pai. Mas isso tem um preço e no caminho pro hospital, tivemos essa demonstração. Os demos tentam matá-los num acidente de carro. E com isso a gente fica com o coração na mão, vendo os três seriamente machucados dentro do carro.

Enfim a primeira temporada foi uma busca. Busca pelo pai, por respostas sobre o demônio, busca pra resgatar o sentimento de família.

Encaro a primeira temporada como um alicerce pra tudo que viria em seguida. Foi aqui na primeira temporada que Sam e Dean se redescobriram como irmãos e como parceiros numa luta que muitos não teriam coragem de sequer imaginar.

Foi aqui nessa temporada que cada um mostrou do que é capaz.

Dean é capaz de tudo por John e Sam, que ele definitivamente não brinca em serviço.

Sam mostrou que é capaz de mudar tudo em sua vida por amor a alguém, mostrou que ele pode e vai ser uma pessoa sempre pautada por bons sentimentos acima de tudo.

E John aprendeu que a união é a melhor arma contra o mal.

Um grande abraço a todos