Eu apenas irei fazer um “breve” comentário sobre esse episódio. Não irei fazer uma impressão como normalmente faço por dois motivos. Primeiro porque não tenho muito que falar sobre 99 Problems e segundo porque estou guardando bala pro próximo, o qual eu acho que vai realmente ser um episódio marcante.

99 Problems foi escrito por Julie Siege, uma roteirista que na minha modesta opinião não é a melhor aquisição pro seriado. Ela é uma roteirista “inexperiente” se comparada com os demais, e muito, mas muito “fraca” pro contexto que a série exige. Seus episódios dizem por si. Tais como Chris Angel is a Douchebag, Fallen Idols e o último antes desse que foi Swap Meat (de longe o pior episódio dessa quinta temporada). Então Julie Siege não é uma roteirista que surpreenda ou que contribua com grande coisa pro contexto geral do seriado. Aliás, ela contribui sim, mas é com algo que prefiro nem comentar, porque eu vou iniciar aqui a terceira guerra mundial caso abra meu bico!

99 Problems serviu pra duas coisas: cumprir tabela e mostrar mais um passo na desconstrução do Dean ao longo dessa quinta temporada. Não acrescentou nada no contexto, apenas seguiu a história. O episódio não contribuiu com nada de novo, ele serviu apenas pra mostrar o quão Sam amadureceu depois de tantos problemas que ele enfrentou ao longo da quarta temporada e o quão Dean está quebrado emocionalmente. O quão o Apocalipse o afetou de modo que nem o inferno conseguiu completamente. O quanto ele não agüenta mais carregar o peso do mundo (literalmente) nas suas costas.

A desconstrução do Dean vem sendo feita desde Heaven and Hell e chegou ao seu ponto mais baixo aqui, em 99 Problems. Aqui Dean se mostrou como um homem derrotado, quebrado e sem nenhuma perspectiva de que possa voltar a ser o Dean que um dia sempre foi: decidido, destemido, implacável, corajoso e leal com seus princípios. Eu não gosto de dizer que ele se tornou um fraco. Ele não se tornou um fraco, ele apenas não encontra mais nenhuma saída, nenhuma porta por onde possa escapar. Tudo que ele faz não dá em nada, tudo que ele imagina fazer vai contra todos os seus princípios e ele não está vendo uma luz no fim do túnel, nem a do fogo do inferno. Sem contar que a pessoa com quem ele sempre contou e sempre confiou, nesse momento realmente não está fazendo a diferença. Dean não está nem no seu limite, ele transpassou esse limite, ele está apenas seguindo no piloto automático e chegou a hora dele tomar uma decisão. Decisão essa que não afeta apenas ele, afeta a humanidade. Alguém tem a ousadia de chamá-lo de fraco?

Houve muita ação no episódio, muita coisa bem dinâmica no quesito movimentação em cena, mas quanto a história da mitologia em si, foi apenas mais um passo pra mostrar que Dean está por um fio de romper de vez e largar de mão tudo que ele sempre brigou e berrou a plenos pulmões. E eu como uma dean-girl deveria estar puta com isso. Não digo que gosto de ver o Dean assim, porque eu não gosto (eu odeio na verdade!!), esse não é o Dean que eu amo desde “Good night Sammy ou Dad is a hunting trip” de Pilot. Esse Dean de 99 Problems é um chorão, um medroso, um derrotado. E eu não quero acreditar (e nem vou) que vai ser esse Dean que eu vou ver daqui pra frente (mesmo que um bando de gente que se diz fã do seriado esteja torcendo pra isso. Apenas pra ver uma vingança mesquinha que só existe na cabeça de gente doente!! Prontofalei).

Não será esse Dean que verei… Não vai ser! (torce e acredita feito desesperada huahua) ..Eu confio no personagem que eu amo, confio que os roteiristas (leia-se Eric Kripke) não vão simplesmente pegar Dean e jogar no lixo. Ele pode estar agora passando por uma crise, um momento traumático (acho que nem preciso justificar o porquê disso não é??), por um questionamento profundo. Mas Dean nunca iria trair a si mesmo, Dean nunca iria fazer algo deliberadamente para prejudicar quem quer que fosse. Ele pode sim fazer algo que machuque a si mais que tudo, mas machucar alguém de fora? Duvido.

Portanto 99 Problems passou a mim a seguinte mensagem: Sam está mais maduro e decidido que tudo. Sam finalmente conseguiu uma maturidade que nos faz orgulhosos dele. Sam está mais centrado e focado do que eu jamais o vi. Ele está decididamente querendo fazer a diferença e de quebra ajudar Dean com tudo que ele está passando, porque Sam já esteve nesse mesmo lugar que Dean está agora: no fundo do poço. E eu acredito plenamente que Sam tem total capacidade de ajudar Dean. Tem total capacidade de fazer a diferença nessa tramóia desgraçada que os anjos armaram pra cima deles, principalmente pra cima de Dean com o único objetivo de vê-lo quebrado, derrotado e sem nenhuma perspectiva que não seja obedecê-los. Eu acredito piamente que será Sam que ajudará Dean a recobrar a sanidade e sua fé em si mesmo novamente.

E no quesito Dean o episódio falou o seguinte: esse é o Dean que os anjos querem. Derrotado, abatido, sem fé, e sem esperança, pronto a aceitar qualquer coisa. Pronto a fazer qualquer merda na ilusão de que ele possa ter finalmente um pouco do que ele sempre desejou: um pouco de paz. Mas essa “paz” tem um preço muito alto, um preço amargo e que talvez Dean não mereça de modo algum. Dean está confuso, está perdido, está desnorteado, sem saber o que fazer e o pior, sem ter certeza de que o que está fazendo será o melhor pra todos.

Dean está a um passo de fazer as mesmas merdas que Sam fez na quarta temporada, e com isso a bagunça ser maior ainda. Porque Dean tem consciência do que está fazendo. Ele sabe que isso vai ter um preço muito alto, e talvez o mais caro deles, seja o fato de que Dean não pode provar a si mesmo e a todos que o que ele sempre defendeu tinha um fundo de verdade. Ele pode ver que a palavra “ESCOLHAS” não tem sentido algum e que ele viveu um vazio total toda sua vida. Isso talvez seja o preço mais alto que ele tem que pagar: sua existência toda ter sido inútil.

Existem coisas no episódio que eu achei desnecessárias, outras não por mais que muita gente ache o contrário. Uma das coisas desnecessárias: Dean ter momento “de coração pra coração” com profeta (falsa ou não). Esse tipo de conversa ele poderia ter com Sam, mesmo na atual circunstância. Outras coisas mais que ótimas: a cumplicidade que ele e Cas ainda tem um com outro, eles não precisam de palavras explícitas pra se entenderem. Uma outra coisa que eu achei boa foi o lance com Lisa. Não porque ele a ame, mas porque foi a única coisa boa que ficou de tudo: o seu sonho de felicidade. Seu sonho talvez seja a única coisa que reste de toda essa ardilosa jornada que tornou sua vida. Lisa representa pra Dean tudo que ele sempre desejou e não teve, mas que pode ao menos preservar: um lar com uma família que o ame e que ele possa amar. E quer saber? Lisa foi fantástica ao lidar com aquele Dean ali na sua porta. Um Dean que ela (e nem nós) nunca tinha visto. Lisa foi a mulher que Dean merece ter ao lado, caso ele pudesse ter.

Portanto 99 Problems me fez chorar sim, mas também me fez ter a certeza que por mais sombrio que tudo esteja agora, Dean pode (e vai) renascer das cinzas mais uma vez. Ele é uma Fênix. Assim como Sam está sendo. Assim como Sam está nos mostrando a cada episódio que mesmo que tudo conspire contra, tudo esteja sem luz, algo ainda vale a pena. Algo ainda pode ser descortinado. E esse algo nada mais é do que FÉ!

Então galera, que venha a cambada de anjos e demônios!! Que venha Deus e que Dean possa gritar com ele e dizer: muito obrigado por sua ajuda, seu SON OF BITCH! (eu vou amar o confronto de Dean com Deus!! Huahuahua)

Abraços e até o 100º episódio, Point Of No Return… Esse sim, ou vai ou racha!

P.S
Ok, só reforçando caso alguém não tenha entendido ainda… Isso aqui é uma OPINIÃO PESSOAL..Não é verdade absoluta e muito menos tenho intenção de convencer alguém de alguma coisa.. Eu apenas escrevo aqui o que penso e vejo assistindo o episódio.. Todos nós podemos conversar a respeito, mas desde que seja de forma civilizada. E reforçando: não respondo a Anônimos. Abraços e muiiito obrigada a todos…