Hoje a noite nos EUA vai ao ar o episódio 7×03 de Supernatural, The Girl Next Door, que foi o primeiro a ser gravado e foi dirigido por Jensen Ackles.


Nesse episódio teremos uma história basicamente em volta de Sam (alouuuu Jensen como diretor não pode estar em todo episódio. Ele é humano, não tem super poderes), com retorno de personagens (o Mini-Sam) e a apresentação de outros pesonagens, como Amy, uma garota do passado de Sam.






Amy será vivida pela atriz Jewel Staite (ela fez Firefly) e ela concedeu uma entrevista ao TV Guide falando sobre Amy e sobre sua passagem por Supernatural assim como outros assuntos. Farei um resumo do que ela disse, sem fazer uma tradução na íntegra. Quem quiser ler a entrevista completa, em inglês, CLICA AQUI.

O artigo começa dizendo que comer cérebros foi apenas parte da diversão que a atriz teve ao fazer esse episódio. Ela diz: “Vi que Jensen estava dirigindo. Ele é um velho amigo, e então eu pensei: ‘Oooh, diversão!Isso seria ótimo.’ Felizmente deu tudo certo. Quando você chega em um show onde um dos atores está dirigindo, isso pode ir de todo jeito. Às vezes pode ser estressante se eles tem muito em seu prato, mas ele estava tão calmo, tão legal, no controle de si mesmo, ele me impressionou. Nós tivemos alguns dias que nem sequer fomos em plenas 12 horas de filmagem. Éramos liberados mais cedo, porque ele sabia exatamente o que queria e quando chegava lá, ele seguia em frente”.

O artigo continua dizendo que no episódio Staite desempenha um demônio que conheceu Sam quando ambos eram crianças. Apesar de seu hábito de comer cérebros (o que um demônio faminto faz?), eles iniciaram um romance adolescente. Uma década depois, Sam vai investigar um caso em que ele vai novamente encontrar sua amiga de infância.

O artigo diz que a atriz tem outros projetos e um deles envolve alimentação. Ela tem um blog onde fala sobre comida. No que o colunista insere no assunto dizendo que o personagem dela em Supernatural tem um certo apetite e o que ela poderia falar sobre isso. A atriz diz que Amy é um tipo especial de demônio, mas ela é um demônio com coração de ouro, que ela está fazendo apenas o que ela precisa para sobreviver e cuidar de si mesmo e da sua família. Ela é o amor perdido de Sam na infância e ela meio que volta e o pega de surpresa e o lança um pouco num loop. O colunista pergunta se é apenas cérebros que ela come e como ela faz isso, no que a atriz responde que sim, mais ou menos, ela meio que suga o cérebro e não é tão confuso quanto parece, que ela é um demônio que mata limpo, que ela tenta ter como alvo pessoas baixo nível, mas que às vezes a fome é demais e as vezes ela desliza nisso, e ela brinca dizendo que Amy não é como ela, uma enóloga. Amy éstá mais pra cerveja, afinal cerveja combina mais com cérebros.

A pergunta seguinte é sobre o relacionamento de Amy e Sam e a atriz diz que a parte mais importante disso que ela foi o primeiro beijo de demônio de Sam. E ela também diz que Amy está de alguma forma envolvida com o caso que ele está investigando e ela é a última pessoa que Sam espera ver. Ela diz ainda que Amy tem um filho, e que ele é prioridade na vida dela, que ela ainda tem uma queda por Sam e realmente se preocupa com ele afinal eles têm boas lembranças juntos e ela não quer machucá-lo, mas se ela tiver que fazer para proteger o filho, ela vai. E que ela não pode revelar muito, mas que ela adoraria retornar ao seriado, porque a equipe é muito divertida e tudo que eles fazem é rir nos sets, literalmente, e que ela riu por três dias seguidos e então ela adoraria voltar.

O jornalista continua dizendo que tem uma parte do episódio onde há uma piada sobre a personagem sendo chamada de “Amy Pond” numa clara referência a Dr.Who e ela diz que como não é fã do seriado ela não sabia o que era e isso já estava no script quando ela leu e não tinha idéia do que significa isso, até que ela mencionou isso para alguns fãs de sci-fi e eles fcaram do tipo ‘Oh meu Deus, que hilário!’ e então tiveram que explicar isso para ela. No que ela comenta que não existe nada melhor do um fã de sci-fi, porque no momento que você é apresentada a eles, eles estão com você por toda a vida e que ela não sabe porque isso acontece, e ela não se questiona sobre isso. Ela está muito grata que eles a seguem de projeto para projeto e continuam vendo o que ela está fazendo e que essa é provavelmente a única razão pela qual ela está trabalhando. E para finalizar a entrevista ela conta uma experiência engraçada que ela teve com um fã no universo sci-fi, onde ela estava num elevador com um monte de fãs de ficção científica em uma convenção. Um cara olhou pra ela e disse: ‘Alguém já lhe disse que vc se parece com Jewwl Staite?’ e então todos no elevador começaram a rir e o cara disse: ‘Oh, não, não, não! É um elogio’.

Fonte: TV Guide