Sam e Dean têm um ano difícil pela frente. No espaço de um episódio, perderam um de seus melhores amigos, a casa de Bobby foi reduzida a cinzas e um novo e poderoso vilão os têm como alvo. É apenas mais um dia na vida dos garotos Winchester!

A AOL TV visitou o set de SPN em Vancouver, onde participou de uma mesa redonda com os astros Jensen Ackles e Jared Padalecki.

Junte-se a nós para saber sobre a culpa que Dean carrega, como Sam está lidando com as memórias do inferno e o que os Leviatãs planejam fazer para encontrar os irmãos.

ALERTA DE SPOILER!!

Como Sam e Dean estão lidando com os eventos do ep da semana passada?
Jared Padalecki: Seguindo em frente como podemos, eu acho. Não é primeira enrascada que já apareceu para nós. É uma das grandes, porque estamos gradualmente descobrindo e compreendendo que estamos perdendo qualquer vestígio de esperança em que podíamos nos apegar, pelo menos desde a quarta temporada. Gradualmente, eu acho que eles vêem que ‘Ei, estamos perdendo todas as nossas tábuas de salvação’. Obviamente, Sam se sente vulnerável porque mais uma vez há algo acontecendo em sua cabeça e ele não consegue distinguir o que é real e o que não é e o que ele vai fazer a respeito.

Dean vai a julgamento… Sobre o quê ou por quem vocês acham que ele se sente mais culpado?
Jensen Ackles: Ele tem uma lista de coisas pelas quais se sente culpado, o que acredito que se insere no arco dele e no porquê ele se sente dessa forma. Existe a responsabilidade para com seu irmão e por ter que zelar por ele e sentir que o decepciona o tempo todo. Agora temos toda a situação de Cas, de que ele não chegou a tempo e não foi capaz de ajudá-lo e salvá-lo. Isso tudo remete ao tempo de seu pai. Acho que há um monte de culpa que se criou sobre seus ombros e que ele carrega constantemente consigo e que é difícil e nós vamos explorar isso, basicamente.
JP: Eu acho que descobrimos, com Dean indo a julgamento, que a razão pela qual ele sequer vai a júri é a culpa. Ele pensa “Por que não Sam? Você já fez um monte: Sangue de demônio e Lilith e você abriu a jaula de Lúcifer…” Mas com tudo pelo que Sam está passando, a barreira do inferno caindo, acho que ele entende que já cumpriu sua parte; ele tentou fazer o que era certo o tempo todo. Pensa “Eu cometi erros, mas no geral eu acho que acertei mais do que errei e a balança da justiça ainda está pendendo pro meu lado.” Então agora é minha vez… é mais uma vez em que Dean cuida de Sam e agora Sam tem que dizer a Dean, “Ouça, cara… você está fazendo o seu melhor, você está indo bem.”

A sinopse da 7a temporada dizia algo como “Dean luta com um segredo que ameaça separá-los.” Isso tem a ver com o julgamento ou é algo diferente?
JA: É algo diferente.

Não pode nem dar uma dica?
JA: [balança a cabeça negativamente com veemência] Sabe por quê? Porque eu não sei. Eles não dão dica nenhuma pra mim, do que mesmo jeito que não dão a vocês!
[Nota: Existe um outro segredo que Ackles sabe e que acontece no episódio dessa semana, mas espera que se resolva relativamente rápido.]

Se tivessem que descrever a temporada em pinceladas rápidas, sabendo do que sabemos hoje, o que diriam?
JP: Eu acho que o básico é que é um retorno a Sam e Dean contando apenas com Sam e Dean. Tipo, por alguma razão, temos que fugir e cortar a comunicação de tal forma porque agora, finalmente, depois de cento e tantos episódios, a lei está no nosso encalço. Então não podemos falar muito ao telefone, não podemos usar tanto a internet, não podemos nos manter logados ao mundo, nem mesmo com outros amigos — obviamente que já viram o que aconteceu com Cas. E gradualmente, veremos mais e mais “Ei, Sam e Dean têm que contar um com o outro, mas cortar um pouco do contato com outras coisas,” desde o carro até isso e aquilo. A polícia está atrás de nós, os Leviatãs estão atrás de nós. Temos que lutar muito mais para fazer o que deve ser feito.
JA: Sim, é a 7a temporada de Supernatural sem floreios — a temporada acústica. Falando sobre o que Jared disse, pegaram várias ferramentas que nos acostumamos a ter e tiraram de nós. Então temos que voltar ao básico de contar apenas um com o outro, com a esperteza, a malandragem, todas essas coisas pra conseguir seguir adiante. É legal, eu gosto. Digo, definitivamente remete à primeira temporada, que sei que foi a temporada em que nos apaixonamos pela série e as pessoas que ainda nos assistem se apaixonaram ali.

Como a polícia os alcança?
JP: Como NÃO nos alcançam? Acho que essa é a pergunta mais correta!
JA: Bem, os Leviatãs querem nos pegar. Então criam diferentes situações, diferentes estratégias para consegui-lo. Um deles coloca a polícia na nossa cola e nos torna os Mais Procurados da América, o que não nos ajuda de maneira nenhuma, porque assim que descobrem que estamos presos, somos presa fácil.

Dada a cena emocionante que vcs fizeram no galpão no episódio passado, vai haver alguma tensão entre os irmãos, já que Dean pode duvidar da habilidade de Sam de se manter ligado à realidade?
JA: Não acho que isso gere necessariamente uma falta de confiança, acho que é mais ficar de olho e querer estar por perto caso ele tenha um lapso e tentar ser o apoio que puder ser sem mimá-lo, por assim dizer.
JP: E também, com os altos e baixos por que Sam tem passado, acho que agora ele está mais preocupado em tentar se reerguer do que cobrar algo de Dean, a não ser por algo realmente importante… acho que Sam, antes de tudo, tem que melhorar antes de querer ajudar a quem quer que seja.
JA: No episódio que estamos filmando agora [Episódio 8], Dean basicamente diz “Olha, você é um adulto, eu sei que pode cuidar de si mesmo. Você não precisa de mim.” Ele cai em si sobre isso, o que é bem difícil, porque ele sempre cuidou do irmão caçula. Mas haverá uma reviravolta na temporada e Dean entende que não pode ser babá o tempo todo; Sam é um ser independente e tem que lidar com seus problemas, mas ao mesmo tempo está fazendo um ótimo trabalho na forma de lidar com isso. Então tem que compreender isso e confiar, e ele o faz.

Muito disso é interno, ao contrário de vocês lutando contra monstros — podem falar sobre os desafios de interpretar tudo isso e ter certeza de que esse trabalho transparece?
JP: Bem, pra bem ou pra mal, acho que é nisso que ambos temos contado pra fazer essa história acontecer. O mais legal de Supernatural é que a série faz parte do mundo mitológico da ficção científica e dos demônios… mas creio que é nas emoções humanas bem reais e no carinho pela família que ela se sobressai. Nós nos tornamos grandes amigos ao longo dos anos e fica fácil compreender o que é se preocupar com alguém e com seu bem-estar, especialmente se arriscar pelo outro se for preciso e se assegurar de que ele está bem. Isso nós não perdemos mais. Quando a primeira temporada começou, os rapazes obviamente só discutiam. Agora, acho que Jared e Jensen compreenderam sobre Sam e Dean coisas como “vamos ter que cuidar um do outro acima de qualquer coisa e os monstros e demônios vão e vêm”. Mas é mais importante lidar com as questões emocionais.
JA: É, sempre foi a história de dois irmãos. Qualquer loucura que apareça, acho que a história parte do relacionamento entre esses dois caras e as coisas com as quais lidam e o que têm que encarar como seres humanos.

Fonte: AOL-TV