Em primeiro lugar, olá a todos! Pois é, depois de uma temporada e meia sem escrever nada sobre episódios, eu resolvi voltar a escrever alguma coisa. Acho que devo uma explicação a todos que acompanham minhas impressões. Por que eu parei e por que eu resolvi voltar.

Parei, pelo simples motivo que não tinha mais motivação para escrever sobre os episódios na sexta e sétima temporadas. A sexta temporada foi uma tentativa de continuar escrevendo. Uma tentativa de acreditar, de apostar na série, de confiar que as coisas não se perderiam no meio do caminho. Isso provou ser em vão. Eu não conseguia mais reconhecer o seriado que eu amava (e ainda amo, apesar de todos os percalços), não conseguia criar aquela conexão forte que eu tive por cinco anos. Ainda havia um amor profundo, um carinho, um respeito muito grande, mas simplesmente aquela “vibração e emoção” estava esvanecendo e aquilo me angustiava e eu não tinha a mínima vontade de falar sobre algo que me desagradava a cada novo episódio. Então eu resolvi parar, eu não queria ser injusta ou mesquinha sobre algo que eu ainda amava profundamente, mas estava desconhecendo. E não retornei a escrever na sétima temporada, porque eu ainda estava tentando entender e processar tudo, mesmo achando que a sétima temporada estava um tanto melhor que a sexta. Sim, sou lenta e lerda pra isso. Processem-me. *_*. 
Mas quero deixar bem claro, que não entro no rol das pessoas que bradam: “A série deveria ter acabado na quinta temporada. Kripke tem que voltar, bla bla (até porque ele está em Revolution agora. E muito bem, pelo jeito)”. Não faço parte desse grupo e nem nunca farei, pelo simples motivo que eu não quero que Supernatural acabe. Não estou pronta para isso (ainda). Egoísta? Pode ser, mas somos mesmo cheio de falhas, certo? 
Então… A sexta temporada pode não ter sido a última coca-cola do deserto, mas não é de jeito nenhum algo desprezível. Houve ótimos episódios nela, existiram ótimas ideias colocadas, mas infelizmente algo estava meio que fora do lugar por lá, algo se perdeu, algo não se encaixou. E isso refletiu em vários aspectos. Acho que podemos encarar a sexta temporada como um período de transição, onde erros grandes foram cometidos, mas acertos preciosos também. Então tudo valeu e vale a pena. Errar faz parte do processo de melhora. Errar nos faz aprender e buscar caminhos melhores. A sexta temporada nos deu isso: aprender com erros. E a sétima foi um caminho lento em busca da recuperação. Bem lento mesmo, mas no rumo certo. 
Volto a dizer que não desrespeito de forma alguma o trabalho de Sera Gamble. Ela sempre foi uma ótima roteirista, que infelizmente não deu certo como show runner. Isso acontece nas melhores famílias. Ninguém tem bola de cristal para adivinhar o que vai funcionar ou não. Ninguém é poderoso o suficiente para saber tudo, acertar sempre. Somos humanos depois de tudo, não é mesmo? E o que nos resta fazer, é seguir em frente e saber que fizemos o melhor que pudemos. Acredito que foi assim com Sera. Ela tentou fazer o melhor, dentro daquilo que ela acreditava, mas infelizmente não deu certo. E agora é seguir em frente que a fila anda. Confesso, que não vou sentir saudades, que estou com o coração partido, mas jamais vou menosprezar o que ela tentou fazer. E com certeza, no futuro, eu vou rever essas duas temporadas e ver o que elas tentaram nos mostrar. Portanto, o que passou, passou. Ficou lá atrás e pronto.
Vamos pensar pra frente. Vamos continuar acreditando e apostando. Vamos confiar que nosso seriado, com seus personagens fortes, queridos e bem construídos vai continuar nos surpreendendo, nos emocionando e nos levando pela estrada maluca nesse mundo sobrenatural. Essa foi a razão porque eu resolvi voltar a escrever algumas coisas a respeito na oitava temporada. Foram apenas dois episódios, dois episódios intensos, cheio de ação, e com coisas intrigantes colocadas por lá. E particularmente, eu estou acreditando muito nessa temporada. Estou acreditando que o novo show runner, Jeremy Carver, chegou para fazer um trabalho novo, surpreendente, mas ainda a cara de Supernatural.
Não irei garantir que escreverei sobre TODOS os episódios, mas posso afirmar que farei algumas impressões sobre alguns episódios. Portanto, entendam, são minhas impressões. É o que eu penso, o que eu acho sobre o que eu vi. Não é, de forma alguma, a verdade absoluta sobre a série, sobre o que deve ser, sobre o que será. Todo mundo tem o direito de discordar. Vamos conversar sobre isso, certo? De forma civilizada e não de forma bárbara, como se estivessem possuídos pelo demônio. *_*
Quem se interessar  saber o que penso sobre o episódio 8×01 é só  CLICAR AQUI. 

Crédito pela imagem usada no post: Raloria