Prefácio:
Hoje estreia uma nova coluna aqui no blog: a seção LORE. Aqui a gente vai tratar de Mitologia, dentro e fora de Supernatural. Como se o Diário de John e o Guia de Caça de Bobby estivessem publicados em blog, com espaço aberto à discussão. Atendendo a pedidos de muitos hunters, a cada quinze dias nós passamos a ser um pouco caçadores. Só falta um Impala 67 com o porta-malas carregado de equipamento anti-demônios pra completar.
Boa leitura!

Saudações Hunters!
Antes de mais nada, eu gostaria de me apresentar. Me chamo Thiago, sou membro do Fã Clube Supernatural Brasil desde Fevereiro de 2011, apaixonado pela série desde o primeiro episódio que assisti (Devil’s Trap, para constar).
Estou começando uma seção aqui no blog voltada para o “treinamento histórico” dos nossos caçadores, aprendendo mais sobre as criaturas que dão o ar da graça (ou da desgraça, na maioria das vezes) em Supernatural. E para começar com um pé na porta como o que Meg dá nesse meu primeiro (e favorito) episódio da série, começarei com a criatura controversa, os fantasmas anabolizados, as engrenagens que fazem a série andar desde a primeira cena do Piloto: Demônios!
Na Mitologia:
Na cultura de muitos povos há menções a criaturas incorpóreas, que habitam um plano próximo ao dos homens, interferindo de maneira geralmente indireta, apenas influenciando subliminarmente as ações das pessoas, para o bem ou mal. Na mitologia judaico-cristã, demônios são os anjos rebeldes que junto com Lúcifer foram expulsos do Paraíso, se dedicando a corromper e destruir a humanidade e a manter uma firme oposição a Deus e seus anjos. Textos referentes a essa destruição podem ser encontrados em diversos trechos dos livros sagrados dessas religiões, dando a eles personalidades sempre destrutivas, vingativas e sobretudo invejosas. Nunca chega a ser citada uma forma de combate no Velho Testamento, porém no Novo Testamento, é passado por Jesus que usando o Seu nome seria possível para Seus apóstolos expulsar os demônios.
Já no islamismo, são conhecidos como jinni, plural de Jinn (dependendo da tradução pode ser Djinn), criados do fogo sem fumaça por Allah 2000 anos antes de Adão, e com status próximo ao dos anjos. São considerados seres de livre-arbítrio assim como os humanos,  mas após a criação do homem, Allah teria ordenado a um jinni chamado Iblis que se ajoelhasse a Adão, e quando o mesmo se recusou foi expulso do Paraíso e recebeu o nome de Shaitan (com sonoridade próxima ao Satã da mitologia judaico-cristã), e todos os espíritos malignos que decidiram usar seu livre-arbítrio de forma similar são denominados da mesma forma. Uma diferença essencial entre a crença islâmica e a judaico-cristã é que na primeira, Allah não é considerado o inimigo ou o foco da atenção de Iblis, e sim toda a sua criação, com a intenção de levar à queda tantos seres entre humanos, anjos e jinni quanto possível. Não há muitos rituais ditos que combatam os jinni, mas a opção mais aceita entre os pregadores é que se ignore o que os sussuros deles dizem, pois ainda que possuam livre-arbítrio, Allah não permite que eles interajam fisicamente com os humanos.
Em Supernatural:
Supernatural se baseou na mitologia judaico-cristã em sua quase totalidade na criação dos demônios como personagens, com ligeiras modificações e elementos muçulmanos. De acordo com a série, o primeiro demônio criado foi Lilith, que em algumas tradições judias foi a primeira esposa de Adão, criada também do barro, mas que quis ser independente a seu marido, sendo expulsa do Éden, ao que logo após Deus criaria Eva. Lilith teria sido tentada por Lúcifer, recém-expulso do Paraíso por se rebelar a Deus com vaidade, não aceitando se curvar aos humanos como se esses fossem superiores aos anjos. Ao aceitar a tentação, Lilith recebeu a função de conquistar almas para seu criador, através de pactos, em que ela daria algo que a pessoa desejasse, e em troca sua alma iria para o inferno ser torturada. Durante a tortura, a cada dia ela receberia a opção de continuar sofrendo, ou se tornar um carrasco também. Dessa forma, ela se tornaria um demônio também.
Em termos gerais, um demônio nada mais é que um fantasma com poucas diferenças. Ao contrário do anterior, não são ligados a um lugar específico, podendo vagar pela Terra à vontade buscando vítimas. Também conseguem conservar a lucidez mental, ao passo que um espírito vai se corroendo ao passar do tempo pelas memórias. Ambos possuem certos poderes telecinéticos e de teleporte, porém essa característica também parece mais desenvolvida nos demônios, o que pode ser devido ao treinamento contínuo pelo qual devem passar, e ao intelecto que continua intacto durante o tempo em que permanecem “vivos”. Também possuem fraqueza em relação a ferro e a sal grosso, sendo essa mais pronunciada nos espíritos, e além desses, água benta no caso dos demônios. Outra fraqueza única dos demônios é que podem ser aprisionados com símbolos religiosos conhecidos como Armadilhas do Diabo (Devil’s Trap), que podem apenas impedi-los de se locomover ou mesmo deixá-los sem nenhum poder.
No princípio da série, a única maneira de lidar com eles era atrasá-los com água benta, e tentar executar o exorcismo contido no livro Rituale Romanum. Aos poucos foi se descobrindo outras armas contra eles, como a já citada Armadilha do Diabo, o revólver especial Colt, uma faca que pode ser uma das armas ocultas do Céu, anjos podem usar seu poder divino para assolá-los, pessoas que receberam sangue demoníaco quando bebês podem desenvolver a habilidade de manipulá-los a ponto de exorcisá-los ou matá-los e por fim, de forma idêntica a fantasmas, se queimar os seus restos mortais, também são destruídos.
Bom, pessoal, é isso. Comentários críticos serão muito bem aceitos, assim como sugestões para as próximas postagens. Por enquanto, me recolherei à minha casa segura para buscar mais informações que ajudem os outros hunters a sobreviver.
Um abração sobrenatural,
Thiago