Traduçãona íntegra da Mesa Redonda que a @clarissa373, do TVOvermind, organiza comcomentaristas e fãs para compartilhar impressões e teorias sobre a temporadaaté agora.
Umtrabalho a oito mãos, que levou certamente mais tempo do que qualquer um de nóspoderia prever. A Clarice teve a ideia, da qual a Polly gostou e aí chamaram oThiago e mais tarde eu (Vicki) para traduzir a tempo de dar aos hunters umpanorama claro de Supernatural até o momento e o que esperar a partir de agora.É longo, mas vale a pena!

Convidoos leitores a fazer o mesmo nos comentários. Concorde, discorde, comente! O hellatus acabou e a partir dehoje nossas teorias podem se tornar realidade. Bem, o quanto uma série de TVpode ter de realidade, ainda que seja Supernatural e… Bom, vocês meentenderam.

O “hellatus” de fim de ano deSupernatural está sobre nós e, como é uma tradição no TVOvermind, mais uma vezconvidamos nosso grupo de amigos que resenham Supernatural pela internet para compartilharnossos pensamentos.

Participando da mesa redonda temos: Eu(Clarissa), Laura Prudom do The Huffington Post, Vinnie do Winchester Brothers,Danielle Turchiano do Possible By Pop Culture, Alice Jester do WinchesterFamily Business, Marisa Roffman do Give Me My Remote (nossa nova adição esseano!), e Tina Charles, do Tv Guide. Esperamos que vocês fiquem com a gente atéo fim, porque por ser uma bastante compreensiva (leia-se: longa), análise demeio de temporada, nós temos muitas opiniões a compartilhar e muitos tópicospara discutir.

A História deDean: Purgatório, flashbacks de lutas e um renovado senso de propósito:

Dean passou boa parte da sétima temporadaem uma grande fossa. Compreensivamente arrasado por suas perdas sofridasatravés dos anos – sem mencionar a recente traição de seu bom amigo Castiel -Dean realmente estava lutando para encontrar um propósito em caçar. Conflitoscom Sam sobre sua decisão em matar Amy, sem mencionar a desequilibrante mortede Bobby, empurraram Dean ao alcoolismo e depressão. Quem iria imaginar quepassar um ano lutando através de monstros daria a Dean um propósito renovado emcaçadas? O Dean Arrasado da sétima temporada era atraente, mas parecia que opersonagem havia perdido um pouco do fogo que o fazia o homem que conhecemos eamamos. “Eu acho que o Purgatório foi a grande surpresa para muitosespectadores nessa temporada – eu sei que houve algumas trepidações entre osfãs sobre quanto tempo Sam e Dean teriam ficado separados antes da temporadacomeçar,e eu acho que os flashbacks foram uma boa ferramenta de narração paradestrinchar o ano anterior sem sacrificar a história atual.” disse Laura.

“Enviar Dean ao Purgatório acabousendo a melhor linha narrativa para o personagem,” disse Tina. “Asúltimas duas temporadas deixaram sua história meio que jogada ali. Ele tinhabastante tempo de cena, mas nenhuma história discernível além da coisa deWinchester vs Leviatãs. Havia seu problema com bebida, mas aquilo não levou alugar algum também.” Mas simplesmente mandar Dean ao Purgatório poderiater sido bem diferente se a série não tivesse nos mostrado os flashbacks de seuano lá. Todos nós concordamos que os flashbacks de Dean eram cheios de cenasestelares – e bem vindas. “Eu tinha medo de que o Purgatório fosse ser semgraça, ou pior, repetitivo (como o Inferno), mas eu acho que o que me ganhou naexperiência de Dean no Purgatório foi o fato de que dessa vez a série realmentenos permitiu ver e desse modo experimentá-lo com o personagem,” Danielledisse em um jorro. “O Inferno era um capítulo perdido para Dean, para asérie, para os fãs. Nossas mentes podem preencher em imagens de como deve terparecido a Dean ter sido tirado do suplício e começar a torturar, mas nós fomosatirados às trincheiras com Dean (e, em certo grau, Castiel e Benny) no Purgatório.Os flashbacks foram filmados com um estilo frenético, entre rápidos cortes eângulos nervosos, eles nunca te deixam ficar acomodado. Você se sente como seestivesse sendo observado e que pode ser atacado de qualquer lugar. Eraigualmente belo e assombroso, além de absolutamente aterrorizante – no estilode filmagem, mas também na narrativa em geral.”

“Eu realmente gosto do jeito que osflashbacks de Dean tem sido mostrados,” concordou Alice. “Eles foramuma boa amostra de um homem que se encontrou no meio de uma zona de guerrabrutal. Eu amo o jeito geral dos flashbacks, usando o tom de sépia paraacentuar as proximididades sinistras, a câmera oscilante, a brutalidade semlimites de Dean, sem mencionar fazer algo tão lindo ficar tão sujo e nojento.Eu acho que eles não têm chuveiros no Purgatório. Não há bebida também, o que émuito bom. É uma maravilha não ver Dean com um drink na mão.” Marisatambém concordou que a história do Purgatório atingiu o perfeito equilíbriopara o personagem. “O Purgatório mudou Dean. Nós vimos sombras dissoatravés da temporada- e mais especificamente nas horas com flashbacks completos- e eu estou verdadeiramente impressionada com o equilíbrio que eles atingiramem não enfeitar o que aconteceu, enquanto não ficavam nos atingindo na cabeçacom eles, tipo, ‘Ei, lembra que o Dean passou um ano no Purgatório?’ ”

Talvez a única coisa que todos estamoslamentando agora é como os flashbacks parecem ter chegado a um fim com oretorno de Castiel. “A narrativa de Dean no Purgatório é uma das minhascoisas favoritas que Supernatural já fez. Eu amo o jeito que é apresentada,tanto visualmente quanto conceitualmente. Eu gostei tanto que eu gostaria dever mais, mas é Supernatural, então é possível que aqueles flashbacks nãotenham acabado ainda.” Vinnie se lamentou.

Como o retorno de Dean do “sovaco deDeus” no início da temporada – e o consequente efeito que isso teve em suapsiquê – nós aproveitamos para ver a sutil natureza de sua Síndrome de StressPós-Traumático tanto quando uma dificuldade em se adaptar. Ele se acalmou umpouco nos últimos episódios. Ele está mais duro agora, e não vai voltar pararealidades açucaradas. O Purgatório o mudou profundamente.”

Ainda que alguns de nós, incluindoDanielle, tinham esperado ver sua reintegração social na sociedade”normal” demorar um pouco mais: “Eu esperava que a série fizessemais uso do Stress Pós-Traumático do Purgatório por quão única e sombria asituação de Dean era lá. Houve um belo momento na premiere da temporada em queele está aéreo, tentando entender algo tão simples (mas que já foi amado) comosua comida ruim e em uma fração de segundo, ele fica totalmente no limite aoouvir duas crianças brincando com armas de brinquedo. Eu esperava por maisdesses momentos que que o ligavam e desligavam sua mente do Purgatório. E bemao final, ele deveria estar dormindo com pelo menos uma mão em cada arma otempo todo!” No lado oposto, Laura argumenta que “Enquanto uma partede mim deseja que víssemos mais de seu Stress Pós-Traumático, eu também achoque deixá-lo destruído após o Purgatório, seria apenas refazer os passoserrados da sexta e sétima temporada, onde ele estava mal conseguindo funcionare totalmente miserável.”

Ainda assim, não importa quão breve tenhasido sua recuperação do Purgatório, não se pode negar o fato de que o Deanpós-Purgatório nos fez sentir animados em relação a ele de novo. “Eupessoalmente tenho uma afeição maior por essa versão de Dean com StressPós-Traumático do que os da quarta ou sétima temporada,” disse Vinnie.”Eu estou aproveitando essa abordagem mais direta e estou aproveitando queele não está se escondendo em uma garrafa de bebida, porque isso estava ficandotedioso. “Mas não é só o Novo Dean que nos animou, são seus doiscompanheiros de viagem pelo Purgatório que também nos interessaram. Aintrodução de Benny, incluindo a decisão dos roteiristas em não torná-lo a Ruby2.0, foi uma ideia estelar para essa narrativa. “Uma das coisas maisintrigantes dessa temporada tem sido a relação de Dean e Benny,” concordouMarisa. “A experiência deles no Purgatório e consequente ligação entreeles é fascinante e errada e algo que nunca imaginaríamos que Dean faria algunsanos atrás… e ainda assim faz sentido.”

Agora quanto às nossas opiniões sobreBenny em pessoa, chegaremos logo lá.

História de Sam:Amelia, manutenção do motel e o ano vivendo normalmente

Enquanto Dean pode ter achado um sensorenovado de propósito no Purgatório, Sam fez uma pequena reciclagem da primeiratemporada e passou seu último ano se reconciliando com o lado normal da vida.Ainda assim, admite-se que os fãs parecem divididos quanto a esse arco emparticular. “A parte que parece ter causado maior controvérsia na oitavatemporada, mesmo comigo, é o fato de que no ‘ano perdido’ de Sam ele parou de caçare viveu uma vida normal,” informou Danielle. “Muito antes natemporada eu escrevi um texto sobre como Sam tentar viver uma vida normal era omelhor jeito que Jeremy Carver, quando tomou o controle de uma série da qualele havia ficado à margem por um tempo, poderia ter provado que estava mantendoo personagem fiel ao que sempre fora. Eu ainda acredito que isso seja verdade.Sam, do momento em que o conhecemos no Piloto, só queria ser normal. Ele nãosabia das razões pelas quais ele não poderia ser normal iam além do jeito queseu pai o criara até o sangue que estava correndo em suas veias.”

Apesar do fato de Supernatural termostrado de forma consistente ao público que nenhum desses rapazes pode ter umavida normal de verdade, Sam já chegou a, algumas vezes – ainda que não sempre -se fixar nessa ideia. Por um tempo, Dean pareceu ansiar por uma vida normalapenas por nunca ter experimentado uma. Mas aparentemente a ideia sempre esteveno fundo da mente de Sam, não importa o quão dedicado a caçar ele tenha ficadoao longo dos anos. “Uma vez que Sam e Dean se reuniram, Sam contou ao seuirmão que depois que eles encontrassem a tábua e fechassem os Portões doInferno para sempre, ele iria viver uma vida normal,” Tina disse. “Eunão sei sobre tudo mais, porém eu tenho um flash de ‘Shadow’ na primeiratemporada. Lá, Dean tinha grandes esperanças em reunir a família e voltar acaçar juntos. Sam disse a ele que não queria aquilo. Ele queria voltar àfaculdade. E com isso o ciclo se completou.” Vinnie ainda apontou que “temsido discutido que Sam tinha se acostumado ao estilo de vida de caçador e umresultado por não ter procurado por Dean foi o choque que muitas fãs sofrerampor ser algo fora do estilo do personagem. Eu respeitosamente discordo. Parecepara mim que a consistente luta de Sam foi entendida como normalidade versus asua realidade e eu acho que o desaparecimento de Dean casou com a falta deapoio ou recursos de Sam, criando uma pequena regressão. Sam fugiu, e temorgulho de ter feito isso. E então se prendeu a alguma coisa, outra coisa daqual Sam tem orgulho.”

Enquanto o desejo de Sam por uma vidanormal não parece improvável baseado no que sabemos sobre ele, há algunsaspectos da sua história que não soam bem para nós. “Eu queria que osflashbacks de Sam fossem tão bons quanto os do Purgatório. Mas não foram,”lamentou Tina. “A transição para eles era embaraçosa quase toda vez. E eunão sei por que eles tiveram que dar tanto enfoque ao tempo de Sam com Amelia.Com certeza houve mais nesse ano do que isso. Ultimamente, se Sam e Ameliativessem alguma química, eu poderia dizer que essas cenas eram as melhores detodas. Mas eles não tem, então elas não foram.” Maria explicou que”eu realmente não sei como me sinto sobre Amelia ainda. Ela não é detestável,eu não achei nada errado com ela. mas… eu não estou 100% ligada a essesflashbacks. (Eu honestamente não sei o que os escritores poderiam ter feito dediferente. Não há nada de errado com a atriz, mas a vida dela e a relação delacom Sam é mais simples que qualquer outra coisa na série, então é fácil fazercom que seja parte de um episódio que não me interessei muito).”

Eu e Danielle aparentemente concordamosque a nossa maior birra com a narrativa de Amelia é ver Sam vivendo uma vidanormal através de flashbacks não condiz com a nossa ideia de Supernatural.”O problema com a vida ‘torta de maçã’, aliás, é que ela é tediosa. Comcerteza não foi para isso que eu me inscrevi em Supernatural.” disseDanielle. “Então no minuto em que vi os primeiros flashbacks de Sam eentendi que ele estava vivendo com uma garota, em me senti como se tivessevisto tudo que precisava em seus flashbacks particulares. Eu entendiimediatamente o que significava para ele descobrir que, mesmo que tenha sidoprovado temporário mais uma vez, e escolher abandonar por isso. Na premierecertamente pareceu que ele escolheu desistir por causa do seu irmão, apesar dosúltimos episódios terem complicado desnecessariamente sua situação implicandoque ele se afastou dela por ser um ‘cara legal’ quando o ex de Amelia retornou.Honestamente, eu não ligo para o passado de Sam; Eu ligo muito mais para o seufuturo. Ele se encaixa na história de que Sam poderia se conectar com ela pelosdois estarem de luto, mas mesmo pessoas que experimentam perdas não são antisociaiso tempo todo – especialmente se encontrarem alguém que está realmente osajudando a aliviar seu luto. Amelia parece apenas muda, especialmente comparadacom as outras dinâmicas mulheres do passado de Sam (mesmo que elas não fossemsempre boas para ele). Do jeito que ela é, eu ainda me pego dizendo ‘por queela?’ provavelmente o motivo pelo qual eu continuo esperando que a percepção doque ouve seja revelada e Sam descubra que as memórias dela não sejamverdadeiras.”

O “por que ela?” de Danielle levaperfeitamente ao mistério que nos cerca nessa narrativa em particular, mesmocom o retorno do supostamente morto marido de Amelia e a confirmação de que elaé real e não uma alucinação como alguns fãs previram. E o “mistério”da narrativa de Sam não ser exatamente uma teoria conspiratória, mas apenas umacompreensão de que não entendemos de verdade o relacionamento entre eles.”O arco de Sam é mais difícil ao mesmo tempo de compreender e prever,desde que tanto dele ainda parece estar sendo deliberadamente ofuscado pelosescritores. Eu ainda tenho esperanças de que as coisas com Amelia não sejam oque parecem, seja por envolvimento de manipulação angelical e percepção, ou Donsendo ressuscitado pelos anjos, Crowley, ou alguma outra força externa,”Laura disse. “A história de Sam me empacou,” Alice admitiu. “Elaparece muito estranha. Ainda falta muito para sabermos. O que ele quis dizerquando falou para Amelia ‘Você me salvou’? Eles realmente fracassaram no’mostre, não conte’ aspectos de sua história, o que me faz suspeitar que elesestão escondendo alguma coisa de propósito. Eu não acho que tenhamos recebido ahistória inteira (insira sua teoria conspiratória aqui). Sam é aquele sofrendode Stress Pós-Traumático. Um enorme. Considerando tudo pelo qual ele passoudesde que a seria começou, e especialmente desde que o muro em sua parededesmoronou, eu não tenho ideia do motivo dele ainda não estar em uma celaacolchoada.”

“Eu não acho que seu relacionamentocom Amelia seja remotamente saudável, independente dele afirmar que Amelia osalvou,” Vinnie afirma. “Eu sinto que a relação deles é conturbada eforjada. Há uma fala no filme Coração Indomável onde Caroline (Marisa Tomei)diz, (falando sobre Adam, interpretado por Christian Slater) ‘Ele não fazsentido, eu não faço sentido, juntos, fazemos sentido.’ Eu sinto que é isso queos produtores querem nos mostrar da relação de Sam e Amelia, mas não estáacontecendo. Além disso, o fato é que Sam esconder seu passado de Amelia a põeem perigo; Isso a deixa vulnerável e é irresponsabilidade de Sam. Eu tambémacho que se Sam não tivesse atropelado Riot, e assim iniciado a cadeia deeventos que o levou ao seu relacionamento com Amelia (Nota do tradutor, MUITODE VOLTA PARA O FUTURO NESSA FRASE, MEU DEUS! Ok, parei), ele poderiaeventualmente ter procurado por Dean. Provavelmente de um jeito assustador,focado e super doentio como ele fez em ‘Mistery Spot’.

“Eu tenho minhas suspeitas,”admite Marisa. “As coisas parecem boas demais, muito idealistas. (Menos omarido porto voltando, o qual, novamente, em Supernatural, pode ser um sinal dealguma coisa maior, também). Ainda assim acho que a verdadeira tragédia paraSam é que seu relacionamento tenha sido verdadeiro e ele não tenha tido achance de crescer propriamente.”


A História deCastiel: O velho Cas, seu desejo de expiação e os misteriosos novos anjos

Eu sempre gostei de Castiel, então euestou feliz dele estar grudado com a gente tanto tempo. Eu disse isso antes,mas eu não acho que ele tire nada da série, eu só acho  (como Bobby e alguns outros recorrentesmemoráveis) que ele adiciona um pouco mais ao universo de Supernatural. Como eunão aproveitei o humor do Cas louco, eu gosto dele ter voltado ao seu velho euagora, apesar de que como aparentemente o Purgatório o ‘curou’, fica parecendouma saída fácil. Ainda assim, eu estou disposta a perdoar isso.

Após as escolhas que ele fez na sexta esétima temporadas, é bom ver que os escritores estão trabalhando na redenção deseu personagem. “Eu amo uma narrativa de jornada e Castiel não é umaexceção. Fico feliz que os escritores o tenham aceito e escolhido não apenasapontar, mas também perseguir, um caminho de redenção para Castiel,”Vinniedisse. Enquanto Alice concorda que “eu estou apenas feliz em termos maisCastiel nessa temporada. Aliás, eu sou a única que achou hilário quando esseanjo todo poderoso não pode decifrar a mente de um gato?”

Enquanto Danielle foi um pouco maishesitante em sua felicidade sobre a inclusão de Castiel esse ano, ela foicautelosamente otimista: “Por mais que eu ame Misha Collins, eu não meimportaria que Supernatural encerrasse sua participação deixando Castieltrancado no hospício após assumir para si o choque psicológico de Sam. Castielprecisava ficar sozinho, e sejamos honestos, eu nunca fui fã de ‘botões dereinício’ ou falas paradas na série. Mas a sétima temporada não quis deixarCastiel lá, então eu estou pelo menos feliz de que a oitava tenha trabalhadoduro para restaurar seu personagem. Deixar Dean sozinho no Purgatório pareceuuma baita sacanagem depois de tudo que ele já havia feito. Descobrir nessatemporada que ele fez isso por sentir que protegia Dean certamente não fez queo mesmo se sentisse melhor, mas aliviou minhas preocupações com opersonagem.”

Até agora, a inclusão de Castiel nosforneceu alguns memoráveis e – ousamos dizer que vimos isso – emocionantesmomentos. Particularmente para Dean. Tina admitiu que “a cena em que eledeixou Dean ver o que realmente aconteceu no portal foi simplesmente excelente- é uma das minhas favoritas do ano até agora. É claro que Dean viu a si mesmofalhando com Cas. Por que ele iria pensar alguma outra coisa? Outra cenaespetacular foi quando Cas surtou com Dean e Dean forçou seu amigo a falar.Descobrimos por que ele não quer ter nada a ver com o Paraíso. Ele haviadestruído muitos anjos. Ele não queria ver o que sobrou. Encararverdadeiramente isso seria muito doloroso. O arco emocional de Cas está muitobem feito até agora. Ele está perdido e procurando por um propósito e então euem especial adorei quando ele tentou virar um caçador. E eu posso dizer oquando eu estou gostando de ver Cas e os Winchester do mesmo lado outravez?”

“Estou vibrando em ver Castiel devolta, afinal eu sempre o achei um fascinante e profundo personagem, com o tipode épicos problemas paternos que o fazem uma perfeita aquisição aotime,”Laura incluiu. “Eu estou feliz de Jeremy Carver ter prometidotrazê-lo ‘de volta à história com algum vigor,’ como ele me disse, e espero que os escritores continuem achando jeitosinteressantes de o unir à narrativa e à mitologia. Eu sei que Sera Gamblequeria dar um passo para longe da mitologia angelical nas temporadas seis esete, o que eu acho que foi um erro, desde que ela revigorou a série de formatão espetacular na quarta temporada, e abriu as portas para todo tipo de mitos,alegorias bíblicas que parecem se encaixar tão bem na história de Sam e Dean, eeu espero que Naomi e os novos anjos ajudem a direcionar a mitologia e forneçamum contrabalanço a Crowley.”

O que me deixa mais animada sobre isso éque parece encaixar bem com a mitologia novamente esse ano. Além de realmentegostar do personagem, admito que eu posso entender que é uma luta para mantê-loincluído no que se passa na história após o fim do Apocalipse. Conectá-lo a umgrupo de anjos misteriosos faz sentido. E o fato de que os irmãos estãoprocurando a Palavra de Deus – um objeto relacionado ao Paraíso – significa queCas se encaixa bem. Assim como a inclusão dos misteriosos novos anjosencabeçada por Naomi, para a qual eu fiz algumas teorias sobre o que acho queeles estejam planejando, incluindo a busca das tábuas por uma delas poder sersobre anjos (uma necessidade de se proteger) ou porque eles querem partir paraa ofensiva contra os demônios e as outras criaturas sobrenaturais contidas nastábuas. Laura pareceu compartilhar minhas teorias: “Eu acho que os anjosestão tão interessados nas tábuas quanto em Crowley, seja porque uma tábuasobre os anjos exista, ou porque eles esperam usar as tábuas para detonar osdemônios. Eu também suspeito que fechar os portões do Inferno iria de algummodo forçar as almas malignas para o Paraíso [avançando], o que poderiaprovavelmente ser motivo de preocupação.”

“Nós vimos antes que nem todos osanjos são confiáveis, e nem sempre eles tem em mente os melhores interesses dosWinchester (ou do mundo),” Vinnie admite. “Eu iria estragar umpalpite de que enquanto a Palavra de Deus está no centro do foco de atenção dosanjos, a raiz de tudo isso chegue à luta de poder no Paraíso.” “Porum lado, eu sinto que ela pode ser um anjo espião, mas por outro, só porque oescritório dela é impecável não quer dizer que os anjos, após tudo o quepassaram, continuem tão “puros” e limpos como costumavam ser,”Danielle oferece. “Talvez ela saiba o que há nas tábuas e só quer ficar deolho em quem mais consegue a informação; talvez ela precise dos Winchester paraque Kevin Tran os dê as informações, e ela possa sabê-las. Talvez ela estejasendo manipulada por alguém, e esteja virando a mesa manipulando Castiel pararesolver sua própria situação. Eu honestamente poderia ver isso acontecendo pordiferentes pontos de vista.
Outra coisa que eu e Laura concordamos éque o envolvimento de Castiel com os anjos poderia ser a hora oportuna paratrazer Chuck de volta à série, seja como Deus ou Metatron. Considerando omistério envolvendo seu desaparecimento no season finale da quinta temporada deSupernatural nunca ter sido resolvido (ainda assim, Rob Benedict dirá que Chucké Deus), trazê-lo de volta como qualquer um dos dois faria sentido e não iriaprecisar nem mesmo de muita continuidade retroativa.


Novos rostos:Benny e Amelia

Através das redes, cada um de nósconcordou que Benny foi uma adição muito bem vinda à série. Na verdade, todostem jorrado comentários sobre o amor pelo novo personagem recorrente. “Oh,como eu amo o Benny!” Danielle disse. “Deixe me contar os jeitos! Étão raro para uma série na sua segunda temporada, ainda mais na oitava, confiartão fortemente em apenas dois personagens, mas quando uma série faz isso pelotempo que Supernatural tem feito, introduções a novos personagens podem soarfalsas e forçadas. Benny foi tudo menos isso.” : Eu tive um quererinstantâneo pelo Benny,” admitiu Tina. “Isso é ajudado pelo fato doator que o interpreta (Ty Olsson) ser fantástico. Ele se misturou na série semproblemas. Ty e Jensen imediatamente criaram uma ligação que vai se provardifícil de quebrar.”

Talvez a melhor coisa que vem de Benny éo relacionamento que ele desenvolveu com Dean (ainda que tenha admitido tercausado problemas com Sam, os quais ele vai logo apontar). “Dean nunca foium personagem que quisesse fazer qualquer coisa sozinho,” Danielleexplica. “Logo no começo, ele veio procurar Sam para ajudá-lo na buscapelo pai deles. Sam sempre esteve mais confortável cuidando dos própriosassuntos; Dean sentia saudades de quando tinha uma família, ou pelo menos umparceiro em quem confiar, como um soldado. Ver Dean se livrar de sua inicialdesconfiança e forjar uma muito real e profunda conexão com Benny deixa claroambos os personagens. Nenhum deles simplesmente usou o outro, mas ambostrouxeram o melhor no outro.”

“Benny, Benny, Benny… onde começar?Eu amo cada momento dele no Purgatório e, em minha opinião, o personagem nogeral é fantástico. Apesar de ter que admitir que quando eu ouvi um sotaquesulista/creoule saindo da boca daquele vampiro eu estive preocupado sobreclichês à Anne Rice, mas até agora não tenho do que reclamar. Eu também ireiadmitir que eu não estava totalmente feliz com a história de Benny no 8×05″Blood Brother”, porém o 8×09 “Citizen Fang” virou 180graus a situação na escala de diversão,” Vinnie disse.

Admito que eu tive suspeitas de Bennydesde o primeiro dia, convencida de que ele iria se virar contra o Dean. Mas euestou disposta a admitir que estava errada, apesar de alguns de nós aindaestarem curiosos sobre alguns mistérios referentes a esse personagem. Vinniemencionou que ela quer “saber mais sobre como [Benny] tinha tantainformação sobre o Purgatório, eu quero saber de quem era o funeral que elevisita no final de 8×01 “We Need to Talk About Kevin” e eu quero maisinteração entre Sam e Benny.” Considerando a interação hostil inicialentre os dois até esse ponto, eu vou ter que assumir que Vinnie quer cenas maisamigáveis entre eles.

Laura estava apenas feliz que novospersonagens foram introduzidos, incluindo-se na pilha de amantes de Bennytambém. “Eu aplaudo Jeremy Carver por querer repopular o mundo dosWinchester, desde que a contagem de corpos estava ficando deprimente, e queriaver mais profundos, imprevisíveis personagens de apoio, sejam eles como Benny,ou como Ellen, Jo, Gordon e Meg de tempos atrás – personagens que poderiam sercolocados e retirados da vida deles, dependendo do caso sem precisar seremregulares o tempo todo.”

Como a relação de Sam e Amelia, alguns denós sentimos que era um pouco mais difícil de se acostumar a Amelia como umnovo personagem. “Eu não sei o bastante sobre ela,” admite Alice.”Ela só apareceu nos flashbacks de Sam até agora e do jeito que ele selembra deles, o qual é muito provavelmente incorreto. Eu não vejo faíscas ouquímica entre eles, mas o mundo do flashback não é o melhor lugar para contaressa história. Até onde sei, ela estava carente e perdida e achou um carabonito e com olhos tristes de filhote que estava no mesmo barco. Ela é umaveterinária, no fim das contas! E eu não a odeio, mas eu preciso de mais paragostar dela de verdade.”

Quando questionada, Tina disse que”eu não tenho muito a dizer sobre Amelia. Ela é uma personagem bastantedanificada, eu acho. Mas nada que eu aprendi sobre ela realmente a conectoucomigo. Não ajuda muito o fato daqueles flashbacks serem surreais e ainda tem ofato de seu marido estar vivo. Eu vejo Sam e Amelia como duas pessoas queperderam alguém muito próximo a eles se buscando em luto. Não é algo que iriadurar. A coisa  toda de viver juntos meioque parecia sem sentido. Eles não parecem simplesmente duas pessoas que seapaixonariam. Essa relação me deixa perplexa.”

“As coisas que eu queria de [Amelia]e sobre ela não estão sendo mostradas na tela e está ficando frustrante,”Vinnie concedeu. “Eu quero que ela seja mostrada como uma alcoólatra, oupelo menos reconhecida como tal. Eu quero que ela tenha mais personalidade. Euquero que ela seja mais do que uma mulher que ama dois homens. Eu queroentender o porquê de Sam ser tão devotado a ela. Nada disso está acontecendo aindae eu estou começando a me preocupar que as coisas não estejam apenas em banhomaria, mas que não haja nada de interesse, que Amelia seja apenas tenhaproblemas comuns. O que seria tranquilo… se fosse outra série. O que eu achointeressante é que Amelia aparentemente tem alguns trejeitos similares à Dean:Bebedeiras casuais, problemas de confiança, deflexão, um senso pessoal perdido,uma forte necessidade de aceitação paterna, uma dificuldade de aceitar criarraízes, etc.”

Admitimos que conhecemos mais sobre oBenny por termos dois episódios com ele como centro das atenções até agora erealmente gostamos de ter tido tal oportunidade. Não tivemos essa chance comAmelia ainda e alguns fãs podem reclamar sobre isso, mas vocês tem que ter emmente que Amelia ainda é uma pessoa normal (supostamente) e seria um poucochato ter um episódio ou dois dedicados a ela sendo uma veterinária ou indo àquitanda ou apenas curtindo com Sam. A situação de Amelia é uma espécie deparadoxo para os escritores, porque você tem que lutar para escrever essepersonagem em uma situação que ela possa conectar-se com os fãs, mas vocêtambém tem que lembrar que ela não é uma caçadora ou uma criatura sobrenatural.A não ser que ela seja pega pela situação típica de Supernatural, sendo umacriatura, e nesse caso, tem pouca cisa que se pode fazer para explorar suanormalidade e, como Vinnie disse, não é esse tipo de série.


A mitologia daoitava temporada de Supernatural: A busca pelas tábuas e Crowley como o grandevilão

“Eu acho que descobrir um jeito defechar os Portões do Inferno é um arco divertido. Ele nos traz de volta aosdemônios, os quais meio que tinham sumido ultimamente,” diz Tina.

Eu concordo. Minha maior reclamação sobrea mitologia da última temporada (mencionado por mim na nossa última mesaredonda) era que eu não sentia que os Leviatãs tinham uma conexão pessoal aosWinchester que fosse o bastante para merecer o arco principal da temporada. Euestou curtindo muito mais o arco da busca das tábuas desse ano. Considerandoque um demônio foi o responsável pelo evento que levou os Winchester a começara caçar, faz sentido que uma tentativa de fechar os Portões seja bem maispessoal do que os Leviatãs. “É claro, Sam e Dean iriam querer serpotencialmente responsáveis por fechar os Portões para sempre,” Tinadisse. “Afinal, no final da segunda temporada eles foram os responsáveispor deixar um monte deles escapar.”

Danielle, por outro lado, é maiscautelosa sobre o arco mitológico: “É um conceito fascinante que poderiaexistir um evangelho por aí que ensine alguém a banir qualquer criatura malignado mundo, não é? Quer dizer, não é uma das partes mais difíceis de assimilar dequalquer religião de compreender sobre a existência de Deus, afinal, Ele nãodeveria ajudar ou impedir o mal no mundo? Mas no mundo de Supernatural, se umacoisa assim existe, e se Dean e Sam colocarem as suas mãos nisso e fizerem seutrabalho, e então? A série iria ter que acabar, e não com um estouro, mas emchoradeira. Dean e Sam ficaria velhos, girando os polegares. Eles iriam emdiferentes direções, com certeza se separando sem a caçada para mantê-losjuntos, e a memória de seu forte laço iria se desfazer. Isso não é jeito detratar lendas! Então eu tenho uma certa dificuldade em me animar com essa buscapelas tábuas, meio que apenas supondo que não pode acabar bem – seja acabandonessa temporada, em duas, ou em mais dez.” Vinnie concorda que “eu mepreocupo com a ideia de que as tábuas instrutivas vão pintar a série de umjeito dependendo de como o tema avance. O resto da temporada, e de todas aspróximas, vai virar uma caça ao tesouro por tábuas? Eu realmente espero quenão.”
Dado o fato de que Carver disse que essearco mitológico pode durar várias temporadas, eu me pergunto se os garotos vãorealmente fechar os Portões do Inferno como antecipado (“parece que amitologia das tábuas poderia guiar a história por muitas temporadas a seguir -e, como Supernatural sempre trabalhou melhor em um arco maior, sem temporadasfechadas, eu sinto que só pode sair algo bom disso,” disse Laura). Há umagrande quantidade de distorções que podem ser atiradas no plano, incluindo ofato de que talvez a temporada inteira não seja só uma caçada pelas tábuas. Areintrodução de Chuck como Deus ou Metatron seria uma reviravolta cósmica noenredo e daria a ele uma escala bem maior. E talvez fechar os Portões seja naverdade a última tarefa que eles cumprem, mas eles morrem no processo, e sãolevados ao Paraíso, onde podem viver o resto da eternidade nas suas versões deParaíso. Claro, é um pouco cafona, mas pode ser um final mais adequado do que apreocupação de Danielle em que os Winchester passarão o resto de seus diasvivendo um “vida normal”.

Danielle admite que mesmo tendo umapreocupação sobre o eventual decorrer da busca pela tábua, há muitos benefícioscom esse arco também. “Eu sempre acreditei que Crowley não tinha espaço obastante na série. Se ele é o Rei do Inferno, ele é  muito importante e portanto deveria sertratado assim. Então então ele está finalmente vindo para o jogo com a buscadas tábuas, e eu o amo muito mais do que os Leviatãs. Qualquer coisa que tenhaseguido Lucifer como o “grande chefão” teve uma desvantagem injusta.O que poderia ser pior que o diabo em pessoa – especialmente quando o diabo temuma conexão tão profunda e pessoal com um dos nossos herois? Os Leviatãs eramdesconhecidos, e, claro, eles eram assustadores, mas eles nunca (na minhaopinião) pareceram tão piores do que as outras coisas que Dean e Samenfrentaram por anos. Eu tive dificuldades, no final, de assimilar que eleseram “aquilo” que importava para a temporada. Com as tábuas, não mesoa assim, mas parece que há uma tonelada de possíveis rumos para a história,quanto as tábuas podem impactar o futuro, e talvez quanto elas já impactaram opassado até hoje.”

Durante as discussões, todos concordamosque conectar a busca pelas tábuas a Crowley foi uma ideia de gênio. “Asérie é muito melhor quando Sam e Dean tem uma conexão pessoal com os vilões -há uma razão para Azazel e Lucifer serem antagonistas tão poderosos ememoráveis, e Eve e Dick Roman caírem completamente murchos.” explicaLaura, ecoando meu sentimento em relação à busca pessoal pelas tábuas também.”Os irmãos sempre tiveram uma relação fascinante com Crowley, seja como umaliado experimental ou um obstáculo, e eu acho que Carver foi esperto emposicioná-lo como o grande vilão da temporada, considerando que ele conhece asfraquezas deles de um jeito que um novo e não relacionado vilão nãopoderia.”

“Crowley sempre foi um dos meuspersonagens recorrentes favoritos, e quando alguém que aparece de vez em quandose torna uma presença maior, sempre há o risco de exagerar,” admiteMarisa. “Pessoalmente, eu não sinto que exageraram com Crowley ou ofizeram insuportável. A história dele na série – e com os irmãos e Cas – medelicia, porque sabemos como esses encontros acabaram no passado. Não estamoscomeçando do zero com um vilão desconhecido. Eu só espero que qualquer que sejaa conclusão não signifique que percamos Crowley no final do arco das tábuas.”

“Eu amo o fato de Crowley finalmenteser o grande vilão,” Vinnie adicionou. “Soa como uma literalconcordância com a frase ‘o diabo conhecido’. Para mim, é um sucesso onde anarrativa Leviatã falhou; A sétima temporada parecia muito com comentários sociaise não se encaixava no coração da série. Essa, por outro lado, volta o que osWinchester sabem fazer melhor: ir para cima quando é pessoal.”

“O papel de Crowley em tudo isso éum belo agrado,” Alice concordou. “Ele ficou mais sórdido, assimpassando a ser mais do que uma ameaça, mas ainda mantendo aquele senso de humorsarcástico. Assoprando um cata-ventos enquanto Kevin lê a Palavra de Deus paraele? Não é um Rei do Inferno comum. Julgando pelos seu lenço personalizado, eletambém encontrou um novo alfaiate. Sua relação com Sam e Dean realmente meinteressa, ainda assim. Por quê ele não os matou até agora (além da sérieacabar)? Ele com certeza não os subestima…”

ORelacionamento entre os irmãos: Conflito e… Decisões?

Eu acho que seria difícil encontrar um de nós queadmita que gosta de ver os Winchester brigando. Todos estamos cientes de que orelacionamento entre Sam e Dean é o coração de Supernatural. “Eu não voumentir”, admite Tina, “Não estou caindo de amores com o conflito que estáacontecendo> Sam e Dean passaram um ano separados. Eu teria amado se elesfossem irmãos de novo por um tempo. Mas não foi o que vimos. Em vez disso,tivemos Sam que não procurou por Dean enquanto esse estava preso no Purgatório,Dean empurrando Sam para as caçadas quando ele simplesmente não está a fim decaçar. Eles dois não estão se comunicando completamente sobre como elespassaram o ano.”

Tina está certa. Nesse caso, (e na maioria doscasos ao longo da história dos Winchester), o problema entre os irmãos é acomunicação. “Faz muito sentido eles não se entenderem nesse momento, porqueeles estão em situações muito diferentes pessoalmente agora”, diz Alice. “Odesejo primal de Dean por caçar foi despertado, enquanto o de Sam se apagou. Umnão entende o outro. Dean acha que Amelia é apenas mais uma mulher, enquantoSam acha que Benny é só mais um monstro. Eu disse isso numa crítica recente,mas por serem incapazes de aceitar outra pessoa em sua vida, eles são incapazesde aceitar um ao outro. Eu acho que o confronto em ‘Southern Comfort’ foi bemdiferente das brigas de temporadas anteriores. Ambos estavam com  os sentimentos à flor da pele, os doisouviram, e nada foi absorvido por qualquer um dos dois. Eu sei que Dean estavasob influência de um espectro, mas Sam levou a sério o que ele disse e,com  raiva, deu seu ultimato. É como seambos aceitassem que não estão felizes com o estado de coisas, então eles nãotêm  mais nada senão o trabalho. Em ‘CitizenFang’ ficou claro que um não confia no outro. Eles terminam magoando um aooutro por fazer o que pensavam ser seu trabalho. Não se compreender não estáajudando.”

A inabilidade dos Winchester de se comunicar nãoé o único problema entre eles (embora certamente não ajude a resolver os outros).A decisão que Sam tomou de não procurar por Dean foi uma das primeiras sementesda discórdia entre eles no início dessa temporada (junto com Dean mantendo aexistência de Benny em segredo, mas já voltaremos a isso). “Eu falei muito nasminhas colunas que Sam falhando ao procurar Dean depois que ele desapareceu nãome incomodou e eu não acho, particularmente, que isso está fora da gênese dopersonagem de forma tão gritante”, Laura admite. “Um caçador tão experientecomo Sam não deveria ter dado uma procuradinha para ver se rastreava oparadeiro de Dean? Indiscutivelmente. Mas o cara passou as duas últimastemporadas com um fio de sanidade – perdeu a alma, e daí não dormia e não comiaou não funcionava com ser humano normal, e então ele teve um surto psicótico.Eu acredito numa boa que quando encarou a perda de Dean novamente, sua mente sefechou e entrou em modo de pânico e deve ter sido com essa reação que osroteiristas trabalharam. Eu acho que teria sido útil para que o espectadorsimpatizasse com sua decisão se o primeiro flashback fosse de Sam nos momentosiniciais, após o desaparecimento de Dean, e mostrassem seu desespero, confusãoe histeria, mas eu acho que os roteiristas pensaram que sua reação ao atropelaro cão e conhecer Amelia ilustrariam o suficiente como andava sua mente. Dequalquer forma, Jared parece estar de bem com a caracterização de Sam, assimcomo os roteiristas e produtores executivos e afinal de contas são eles que dãovida ao personagem, então não cabe a mim dizer o que Sam faria ou não naquelasituação melhor do que as pessoas responsáveis por retratá-lo na tela”.

“Eu já disse desde o começo que não gosto do fatode que Sam não procurou por Dean, mas também não tenho problemas com isso”,concorda Vinnie. “O negócio é que Sam não ter procurado Dean e largado a vidade caçador é que as pessoas exigem respostas e motivos, mas às vezes elas nãoexistem. Isso é real. As pessoas lidam com o luto de maneiras diferentes e amaneira de Sam foi fugindo da vida como a conhecia. Eu não acho errado o queSam fez ou deixou de fazer.”

“Eu provavelmente não pensei muito sobre Sam nãotendo procurado por Dean no início da temporada como muitas outras pessoaspensaram ou talvez tanto quanto Dean pensou,” concorda Danielle. “Eu conteicomo Sam estando completamente perdido – talvez ele até tivesse queridoprocurar por Dean, mas não soubesse por onde começar (pelo menos quando Deanestava no inferno, Sam sabia onde encontrá-lo, mesmo sem conseguir ir até lá outirar seu irmão de lá). Entretanto, eu imaginei que esse fato marcaria Dean ecausaria muita tensão e brigas. E causou, até certo ponto. Mas Dean pareciamais chateado por Sam ter deixado de caçar do que por tê-lo abandonado (issotambém pareceu se encaixar em Dean como personagem – afinal, ele já demonstroubaixa auto-estima e a crença de que não valia a pena ser salvo antes). Se Deannão estava por perto para caçar, então ele queria que seu irmão caçulacontinuasse de onde ele parou. Mesmo depois de todo esse tempo, Dean ainda queras mesmas coisas assim como Sam quer as mesmas coisas e ainda não veem ascoisas da mesma maneira.”

 Apesar do consenso de que o comportamento de Samem não procurar por Dean não está fora da personalidade do personagem (emboraTina tenha dito “Fico feliz que Sam tenha tido um ano de folga. Ele merecia.Ele passou por muita coisa. Entretanto, eu acho que ele podia tirar um ano defolga e ainda assim procurar pelo irmão. Mesmo que tenha enlouquecido e fugidoe não conseguisse lidar, eu acho que em algum momento a névoa se dissiparia eele teria tentado encontrá-lo. Eu gostaria que Sam tivesse tido a capacidade dedizer a Dean que tentou encontrá-lo, mas não havia pistas”), há uma crença deque Dean estar decepcionado com a decisão dele é aceitável e compreensível.“Dean tem todo o direito de se sentir magoado e furioso que Sam não tenha feitoesforço algum para saber o que aconteceu com ele,” diz Vinnie. “Talvez Samestivesse errado em fazer essa escolha, embora eu não ache que ela tenha sidomaliciosa e que a única pessoa que deva estar furiosa com isso seja Dean.Mas  a verdade é que os dois estãoerrados em outro motivo de sua contenda: Benny.
“Eu não sei de onde ver essa raiva de Sam”,admite Tina. “Ainda que eu entenda que eles fique nervoso quando Dean diz queBenny tem sido mais irmão do que ele jamais foi, Sam, sempre deu a vampiros (ououtras criaturas sobrenaturais) o benefício da dúvida. Ele fez isso com Lenore.Ele fez isso com a menina lobisomem de “Bitten”. Benny permitiu que Dean saíssedo Purgatório. O que Dean tinha que fazer? Matá-lo logo em seguida? Eudiscordo. Eu preciso encontrar o motive da raiva de Sam em relação a Benny.”

Talvez a raiva de Sam por Benny tenha a ver com aforma como ele foi apresentado ao personagem. Francamente, Dean deveria tersido honesto sobre Benny desde que saiu do Purgatório. Dean sabe bem que Sam umdia já abraçou o lado mais sombrio da moralidade no que concerne a monstros. SeDean não tem vergonha da amizade que construiu com Benny no Purgatório (e nãohá razã para acreditarmos que ele tenha), então por que não dizer isso aoirmão? Não só isso, mas “Dean dizer que Benny é o único que nunca o traiu, eatirar todas as traições (pequenas e grandes) de Sam na cara dele, é injusto daparte de Dean. Para começar, ele conhece Benny há muito pouco tempo. Em segundolugar, Sam nunca traiu Dean de caso pensado, pelo menos não a meu ver”, explicaVinnie. “Sam deveria mesmo se sentir mal por essa ligação entre Dean e Benny?Nós como espectadores sabemos que isso é nada perto dos laços de Dean com oirmão, mas é natural que Sam se sinta magoado e traído,” concorda Marisa.

O estouro de Dean em “Southern Comfort” não foimera coincidência, penso eu. Claro, ele estava trazendo à tona questões comoRuby, que está eras lá atrás no universo de Supernatural, mas a verdade é queos irmãos tem “visões de mundo e motivações tão diferentes desde o princípio dasérie e mentiram, manipularam, magoaram e traíram um ao outro tantas vezes aolongo dos anos, seja sob influência de algo sobrenatural ou simplesmente sob opretexto de “proteger um ao outro”, Laura explicou. “Ele nunca resolveramnenhum de seus conflitos – nós sabemos de todas a crueldades que um disse aooutro sob efeito de um feitiço da verdade ou o que quer que tenha trazido à tonaseus sentimentos reais, mas eles nunca sentaram e foram honestos com seusressentimentos ou suas diferentes aspirações sobre a vida e faz tempo que estãoprecisando dar vazão a tudo isso. “O fato que os dois sempre abordam antigosproblemas mostra o quanto eles nunca resolveram suas questões e o quanto elassão distantes”, diz Vinnie. “Eles nunca lidaram com isso; eles só permitem queseu amor obsessivo passe como um rolo compressor sobre tudo.”

Jeremy Carver já disse que o objetivo da oitavatemporada é fazer os irmãos terem uma relação mais madura, mas a verdade é queisso não pode ser alcançado até que eles aprendam a se comunicar e lidar comsuas antigas feridas em vez de varrê-las para debaixo do tapete, como umasolução temporária. Para reparar essa relação, no entanto, talvez sejanecessário levá-la ao nível mais baixo. “Quando você chega ao fundo do poço, oúnico caminho a seguir é para cima e eu acho que os irmãos devem dar luz a tudoisso, perdoar um ao outro e finalmente seguir em frente, e essa temporada temtraçado essa linha ascendente com muita beleza. Eu acredito de coração que aofinal da temporada os irmãos estarão em uma posição mais saudável e honesta –que ambos terão tido a oportunidade de desabafar e ser brutalmente honestos,descobrir o quanto causaram danos ao outro ao longo dos anos e pedir desculpaspor isso e eu mal posso esperar para vê-los chegar a esse ponto,” diz Laura.

Se Carver puder levar os rapazes a realmenteresolver seus problemas antigos de uma maneira q         ue pareça real e nos traga (a eles também) um suspiro dealívio, então nós poderemos atingir algo que nunca foi feito na história deSupernatural. Como disse Vinnie, o amor sempre esteve lá, mas eles têmproblemas a resolver que são muito antigos. Uma solução temporária no passadonão significa que se alcançou o perdão verdadeiro.


Personagens quevoltaram: a Família Tran, Garth como o novo Bobby, o futuro retorno de Charliee a ausência de Bobby.

Como Lauramencionou anteriormente, o desaparecimento de personagens em Supernatural éespetacularmente alto, é sempre agradável ter o retorno de um rosto familiar.Kevin e a sua mãe  podem ter sidoapresentados no final da sétima temporada, mas eles se tornaram personagensrecorrentes para nós. “Eu estou tão feliz de termos os Trans de volta.” Vinniedisse. “Kevin evolui como personagem sem perder a sua personalidade. Eurealmente respeito como os escritores deram a ele o tipo de abordagem “maiscérebro do que músculo” para sobreviver e caçar. O que eu gosto nos Trans é queapesar deles precisarem de proteção, eles provaram que podem ser astutos ealiados confiáveis.”

“Depois desaber que era o profeta e fugir de Crowley, todas as armadilhas que Kevin fezme lembram Kevin McAlister de “Esqueceram de Mim“: elas eram igualmente brilhantese eram o melhor que um garoto poderia fazer.” Danielle  acrescentou. “E mamãe Tran? Lauren Tomincutiu nela um espírito “badass” (‘fodão’). Eu espero que ela possa se tornara nova Ellen e fazer um tipo de ‘base’ para os caçadores ficarem e discutiremestratégias e colocar um pouco de juízo naqueles que estão cometendo errosidiotas.”

Enquanto odebate sobre a Sra. Tran parece se resumir ao que Marisa disse (“É errado dizerque eu adoro a Sra. Tran? Ela foi o meu personagem novo mais favorito desde Castiel.Ela é determinada e traz algo para o show que nunca vimos antes – a dinâmicadela com Sam e Dean me mata! – e ela realmente ama o filho) em comparação aoque Laura pensa (“Eu ainda acho a Sra. Tran um pouco demasiadamente franca emelodramática, que chega a um ponto no qual euquero que o Crowley a mate), Kevin conseguiu um lugar em nossos corações .[Kevin está] se mostrando o porquê dele estar na turma avançada.” Alicecompletou. “Nunca se meta com um profeta que é um estudante de honra. Eu não seipor que, mas eu ri tanto com os correios de voz que ele deixou para Sam noprimeiro episódio desta temporada. A expressão “eat me” me fez rir bem alto.Ele é habilidoso em ficar à frente de Sam e Dean e rapidamente descobriu que seficasse com eles, com toda certeza morreria. Ainda bem que ele está prestandoatenção à história. Ele é bem jovem e está tendo uma experiência que nuncaesperou entrar. Eu espero que o Céu volte a proteger os seus profetas, poisesse menino precisa de um descanso.

Enquantoisso, quando Garth nos foi apresentado, muitos de nós gostaram dele, mas nãonecessariamente dos episódios que ele participou. Vinnie admite que “Eu estavapreocupado que a minha afeição por Garth era somente pela minha adoração porDJQualls e meu amor pelas músicas pop dos anos 90, porque quando eu relembro osepisódios que ele participou eu achei que os scripts deixaram a desejar. Então“Southern Comfort” aconteceu e era tudo que o personagem de Garth precisavapara se sedimentar.” Laura acrescentou que Garth  “trouxe muito mais coração à história”,principalmente a sua habilidade de fazer com que o Dean enfrentasse alguns dosseus problemas. Enquanto o personagem for bem utilizado, “estou feliz em tê-lode volta.”

E por Garthse tornar o novo Bobby na comunidade de caçadores, Alice explicou que “Eleamadureceu muito e está se saindo muito bem como o novo Bobby. Pelo menos háalguém tomando conta dos outros caçadores. Ele percebeu logo de cara comoestava o relacionamento de Sam e Dean e deu alguns conselhos muito bons. Agorao que eles têm a fazer é segui-los. É muito bom ver pelo menos um caçadornormal.”

É claro quea ausência de Bobby ainda deixa um buraco em todos os nossos corações (enorme – Nota da Clarice – pelo menos nomeu… sniff sniff). “Eu disse isso várias vezes, e direi mais uma vez. Eununca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca mesmo perdoarei a decisãocriativa de matar o Bobby (N.T. Eu tbnão… jamais, em tempo algum. Acho que a equipe inteira concorda nessa)Eles fizeram isso em nome de uma hora espetacular de televisão. Grande coisa.Nunca nunca nunca nunca nunca…” Alice disse e Tina acrescentou “Bobby, Ellen,Jo, Rufus, Ash, Pamela – eles são indispensáveis. Eu odeio que todos elesestejam mortos. Eu não consigo parar de pensar o que Bobby faria se estivesseainda no show. Ele não deixaria as coisas ficarem tão ruins assim com osmeninos. Ele poria um pouco de juízo naqueles cabeças duras.  É esta parte de Bobby que sinto falta.”

E aindaassim, um dia quem sabe, ainda poderemos ver a volta de Bobby. Pessoalmente, eugostaria de ver Kim Rhodes de volta como a xerife Mills. Assim como Ellen e aSra. Tran, ela tem uma qualidade materna, algo que os Winchesters não tiveramem sua vida desde que Mary foi tirada deles, quando eles eram ainda tão jovens.E falando de outro personagem feminino maravilhoso, o retorno de Charlie noepisódio 8.11 de Supernatural (em meados de Janeiro) é muito esperado. “Sendoeu mesma uma geek, adorei a Charliedesde o começo e fiquei feliz de ver como ela foi apresentada no show – umalésbica que não estava lá para namorar outra garota somente para aumentar aaudiência. Estou excitada de vê-la novamente em outro episódio centrado em geeks e espero que ela volte maisvezes,”  Laura diz.

Houveapenas um personagem que retornou e desapontou a maioria, que nós temos quecomentar: Martin. A última vez que ele apareceu era um adorável – embora umpouco louco – paciente de um hospício. Em “Citizen Fang” ele saiu do fundo dopoço e foi até o limite na sua caça a Benny, tentando matá-lo. “O únicopersonagem que voltou que eu não gostei foi Martin – e vocês viram o queaconteceu com ele. Eu ainda sinto que havia alguma esquisita com ele no finaldo episódio. Eu ainda não sei o quê. É uma droga porque eu realmente gostei tantodele em “Sam, Interrupted,” Tina disse. Baseado em suas ações, todosconcordamos que ele recebeu o que merecia, isso não nos deixou surpresos – ouconsternados  – com o acontecido.

AS NOSSAS ESPERANÇASPARA O RESTO DA 8ª TEMPORADA.

Com apenasnove episódios na meia temporada há muitas coisas que estamos esperançosos porver.

Primeiramente,são as nossas esperanças para Sam, as quais Danielle resumiu maravilhosamente:“O confronto entre Sam e Amelia no final do episódio “Citizen Fang”. Eu estoumuito excitada para ver Sam tomar uma decisão quando a série voltar. Se é umavida com Amelia que ele esta ansiando tanto – e o porquê dele relutantementevoltar às caçadas com seu irmão – então algo de grandes proporções  tem que acontecer para que ele continue comseu irmão agora, embora ainda esteja zangado com toda a história de Benny, masalgo que o faça querer ficar com o irmão. A minha teoria é que a vida dele comAmelia não foi na realidade tão doméstica e séria quanto ele quer lembrar e que,forçado a confrontar  isso, ele percebeque o relacionamento com seu irmão é o mais importante e se entregue a esserelacionamento com força total. “ E quanto a Amelia especificamente, Laura diz“Eu espero que arco (mitológico) do relacionamento entre Amelia e Don seja maisdo que foi mostrado, se não, que seja eliminado rapidamente.”

E as nossasesperanças para Dean, como disse Tina: “Eu gostaria que Dean reforçasse osrelacionamentos com as pessoas em sua vida (Sam, Cas, Benny). Eu acho que osseus problemas pós-Purgatório foram tratados muito rapidamente e eu gostaria devê-lo lidar com o fato de que uma boa parte da vida dele foi passada no infernoe no Purgatório. E eu gostaria que ele continuasse sendo um caçador badass. Se ele conseguir encontrar umamor no caminho (um com o qual haja alguma química) então tudo bem. Eurealmente gostei do breve flerte entre ele e Elizabeth em “Citizen Fang”.” “Seos escritores quiserem colocar mais flashbacksdo Purgatório, nenhum de nós irá ficar desapontado.”

É claro quetodos nós queremos que os Winchester resolvam os seus problemas logo. “Eugostaria que Sam e Dean conversassem mais sobre o que aconteceu durante o anoem que estiveram separados,” Tina pediu. “Não precisa ser um chick flick (momento comédia romântica), maseles não estão conversando direito agora. Então eu espero que tenhamos muitosmomentos de conversações entre os irmãos, nos quais eles quebrem o padrão de sófalar sobre o monstro da semana que eles vão enfrentar ou o “iPod de Deus” econsigam entrar num acordo.” E, é claro, esperamos que o show continue a focarno desenvolvimento dos personagens. Alice comentou sobre isso: “Supernaturalsempre foi reconhecida por histórias inteligentes, emocionantes, persuasivas eoriginais e eu espero que o show continue com essa tradição. Eu gostaria de vermais histórias interessantes e emocionantes como foi “Citizen Fang”. Algunsscripts estão muito previsíveis nas últimas temporadas. As investigações tipoFBI já viraram rotina. Enquanto eles colocarem suas apostas na dinâmica entreos irmãos de uma maneira sensata, eu acho ótimo.”

Uma coisaque todos estamos esperando ansiosamente é a apresentação de Henry Winchester(avô paterno de Sam e Dean) no episódio 8.12 “Nós conhecemos o lado materno dafamília e como isso está relacionado não somente com o destino dos meninos, mastambém como eles se relacionam um com o outro e o senso individual da família.”Danielle explicou. “Foi um choque para Dean quando ele soube que sua mãe foiuma caçadora – a badass e a gracinha– e eu não tenho dúvidas de que iremos aprender algumas coisas interessantessobre John que irá desafiar a maneira como Sam e Dean pensam sobre o pai.” Oponto crucial de Supernatural é a família.Eu nunca fiquei desapontada num episódio no qual Sam e Dean aprendem maissobre a sua história familiar, especialmente os episódios de viagens no tempono qual fomos apresentados às versões mais jovens de Mary e John. Vinniereconheceu que a família Campbell foi um pouco frustrante, com o que euconcordo, porque sempre achei que todo o potencial que poderia ter sido nuncafoi usado. Mas finalmente poderemos dar uma olhadinha no lado Winchester dafamília e será uma delícia. Especialmente, como disse Tina, isso pode fazer comque John Winchester retorne algum dia. Jeffrey Dean Morgan precisa voltar aSupernatural, pelo menos mais uma vez antes da série terminar de vez.

NOSSA IMPRESSÃO GERAL:BEM-VINDO DE VOLTA, JEREMY CARVER.

Talvez amelhor maneira de deixar vocês saberem como nos sentimos de maneira geralquanto à 8ª temporada é mostrar como cada um de nós deu os seus últimospensamentos para esta análise da metade da temporada.

“Eu estounovamente muito entusiasmada por Supernatural nesta temporada, graças ao que jáfoi visto e à visão que Carver parece estar mostrando para a temporada como umtodo. Toda vez que um show troca de “técnico” no meio da corrida, não importa oquanto o “técnico” conhece o show, sempre há um período de ajuste,” Danielledisse. “Para um show já com muitas temporadas, não há tempo para “ajustes” eCarver entendeu isso e não perdeu tempo. Ele começou a oitava temporada à toda,e consegue manter a energia na maioria dos episódios na primeira parte datemporada (Eu acho que “Bitten” foi um desvio que nós não precisávamos, apesarde ser esteticamente divertido). Está bem claro que ele tem um ponto de vista(sobre a série), mas também tem um plano e esta crescendo pouco a pouco, desdeo começo.”

“Eu nãocolocaria a 8ª temporada no mesmo nível das primeiras, mas é monumentalmentemelhor do que a 6ª e a 7ª (e um pouco da 5ª também). Meu amor por Supernaturalfoi rejuvenescido. Eu não sou muito fã do conflito entre os irmãos que estáacontecendo, mas se isso fizer com que eles comecem a ter um relacionamentomais saudável, então eu terei um respeito louco por Jeremy Carver,” Tina disse.“Carver colocou a sua marca no show desde o começo. Eu adoro como ele usa os flashbacks (principalmente doPurgatório). Eles deram ao show uma perspectiva nova. A apresentação de Bennyfoi muito bem feita e eu estou curiosa para saber o que está acontecendo norelacionamento de Castiel e todo esse negócio com Naomi e o Paraíso. E para Same Dean, eu espero que no final da temporada tenhamos um gancho no qual os doisnão estejam separados física ou emocionalmente. Eu quero que os dois encaremalgo grande e ruim juntos na próxima temporada (o que eu tenho certeza que oshow vai conseguir).

Alice foium pouco mais cautelosa em seus elogios: ”Eu estou gostando. Esta temporada meparece mais consistente e nivelada dos que as duas últimas. Os episódios meparecem fluir bem e os enredos são mais bem encaixados. Eles estão prestandomais atenção na continuidade. As histórias têm sido boas e têm tido 50% demitologia e 50% de monstro da semana. Eu também estou contente que eles estãofazendo coisas diferentes. “Bitten” foi uma experiência corajosa e que foi umsucesso, mesmo que não agradasse a maioria dos fãs. Eu adoro o fato do showainda fazer esse tipo de coisa. Minha única reclamação com relação ao show éque está muito lento. Eu sei que Jeremy Carver achou que a 7ª temporada ficouentupida de mitologia e arcos mitológicos, mas às vezes acho que eles estãoindo demais na outra direção. Não tem havido muitas coisas excitantes ou um mistériomais atraente. O ritmo da informação nos flashbacksnão está sendo satisfatório. O resultado é que a oitava temporada parececonfusa. Entretanto, essa é apenas a primeira parte da temporada ehistoricamente a segunda parte tem uma pegada melhor. Nem todas as temporadaspodem ser como a quarta, então eu estou ansiosa para ver o que nos espera orestante dela.”

Vinnie nãopoupou elogios. “Até agora a oitava temporada está quase sendo como uma dasminhas favoritas. Eu não fiquei tão impressionado com uma temporada no showdesde a segunda. Isso não quer dizer que não gostei das temporadas 3 a 7, masparece que o show está (como numa competição) na reta de chegada e dando tudo oque pode e eu estou adorando. Há um bocado de coisas acontecendo: a família Trane o iPod de Deus. Crowley. Benny. Amelia. Castiel. Sam e Dean, e mesmo assimnão está confuso ou apressado: a história está se desdobrando na nossa frente.Eu adoro que esta temporada está sendo mais centrada nos personagens e não emalguma missão. Até agora vimos como o tempo e os eventos têm moldado Sam eDean, como eles mudaram e como eles inerentemente não mudaram. Eu acho queCarver acertou a mão, porque a resposta das pessoas ao show tem sido grande,positiva ou negativa, não importa, e forte. Há anos eu não vejo um debate tãoacirrado, isso é um trabalho bem feito na minha opinião.”

Marisa dizque está “gostando da temporada até agora – apesar de ser perigoso o fato deparecer que alguém tem um plano (especialmente num serie de sci-fi em que tudopode sair dos trilhos de uma hora para outra). Parece que o show está realmenteindo para alguma direção. Eu adorei o começo desta temporada mais do que gosteidesde a 5ª temporada. Eu honestamente não sei se a trilogiaKevin/Crowley/Procura do iPod de Deus  pode continuar por mais temporadas – ou mesmose quero que isso aconteça – mas também parece que pode ser uma ponte paraalguma coisa ainda maior que nós ainda nem imaginamos. E eu estou não possoesperar pelo que está por vir. Eu estou muito feliz, mas muito mesmo por mesentir assim novamente com relação ao show.”

Lauradisse: “Eu assistirei ao show enquanto ele estiver passando, mas com certezahouve momentos durante a 6ª e a 7ª temporadas em que eu senti que estava setornando mais um tarefa do que um prazer, então estou indizivelmente aliviadaque durante a 8ª temporada eu nunca me senti assim. Ainda que tenhamosepisódios um pouco mais fracos, assim como acontece em todas as séries, o showse mostrou mais forte do que nas últimas duas temporadas, e a sagacidade eprudência que fizeram com que a primeiras cinco temporadas fossem tão boas. Eusinto que Jeremy Carver tem um plano não somente para essa temporada, mas paraalgumas mais, e eu sinto que o show está em boas mãos pelo que pude ver atéagora.”

E eu… Euestou esperançosa que Supernatural continuará a nos entreter por muitos anos.Eu conheci o show um pouco tarde (na metade da 5ª temporada) e fiz uma maratonadas temporadas anteriores num período de poucas semanas. E fiquei viciada, masnão tinha muita interação com o fandom até o final da 5ª temporada. Eu ouvitodas as reclamações durante a 6ª e a 7ª s temporadas (mesmo agora na 8ª), massinto um revigoramento e propósito no show nesta temporada, não somente noquesito roteiro, mas também com o elenco e a equipe de produção e até mesmo coma rede de TV. Mesmo não tendo gostado do arco da sétima temporada no geral, eusempre encontrei episódios individualmente e os momentos específicos paragostar, mas sinto que o que me agrada é o pacote todo de Supernatural. O shownunca será perfeito, mas tudo indica que talvez algum dia a série poderáterminar de uma maneira perfeita, e esperemos, agradar a todos (embora issoseja um desejo irreal, assim como desejar a paz mundial, certo?) Mas vamosmanter em mente que conflitos e reclamações vão e voltam, mas os Winchestersão, basicamente, para sempre!!!