Hey, hunters e HdLs! Thiago Roderick e eu traduzimos duas entrevistas com Jensen Ackles e Jared Padalecki concedidas em momentos e temporadas distintas, uma para o Watchtower sobre a oitava temporada e outra que achei o Tumblr e não consegui identificar a data nem a fonte (daí postar aqui e não num post próprio), mas na qual os dois contam coisas interessantes sobre si e sobre o outro, numa demonstração óbvia e carinhosa da amizade entre os dois. O post ficou longo paca, mas vale cada palavra.


Indo fundo na oitava temporada, a série dramática e sombria Supernatural tem afinado sua maneira de contar histórias e habilmente inclui seus personagens em sua complexa mitologia na luta entre o Céu e o Inferno, e todas as criaturas entre eles. Em uma recente entrevista de imprensa no “WB Mondo International Press Tour”, os astros Jared Padalecki e Jensen Ackles falaram brevemente sobre a mentalidade dos irmãos Winchester, as pressões de Hollywood e o que eles gostam de assistir em DVD.
The Watchtower: Os irmãos estão mesmo cansados de meio que serem os peões do Céu hoje? Parece que a cada vez que eles viram para um lado, eles estão sendo meio que empurrados.
Jared Padalecki: Eu sei que Sam com certeza está.
Jensen Ackles: Sim. Respondendo a pergunta, sim.
Jared: Sim. A resposta curta é sim, tendo ficado evidente pela falta de vontade de Sam em mandar tudo para o inferno nessa temporada. Eu acho que ele com certeza sente que fez sua parte pelo país ou algo do tipo. Ele meio que pensa que “já cumpri minha pena. Morri. Voltei à vida. Vi Lúcifer. Eu fui atirado para fora do ringue, figurativa e literalmente, e estou pronto para ir em frente.” Então eu sei que Sam sente que há pessoas lá fora que podem fazer isso. Porém, agora as apostas subiram tanto que com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. E eu acho que Sam, apesar de ser relutante às vezes, acho que, no fim do dia, é um dos que pega pesado e faz o que é melhor para todos.
TW: Em que vocês se identificam mais em seus personagens, e qual é o maior desafio para vocês?
Jensen: Eu acho que a constante busca de Dean em fazer o bem e ser o máximo de preto no branco. E eu gosto disso. Gosto disso nele. Na parte desafiante, eu diria apenas que acho que a defesa emocional que ele tem às vezes, quando acha que não tem valor nenhum em referência às pessoas ao seu redor. Ele sempre irá por as outras pessoas em primeiro lugar. Ele não hesita em fazer sacrifícios, e isso é difícil. Também considero isso um traço nobre.
Jared: E eu sinto que Sam está pensativo e cansado quando está tentando fazer uma tarefa. E Jared é assim também. Eu sempre meio que digo – eu leio manuais de instrução, sempre – quando eu consigo algo e não posso comprar alguma coisa e apenas penso “Oh, eu vou dar um jeito.” Eu leio e releio e tento de novo e realmente entendo tudo. E eu gosto da maneira gentil de Sam nas suas abordagens. E eu acho que antes de começar a atuar eu pretendia ser engenheiro, e talvez isso venha daí, apenas aquele tipo de quebra que destrói tudo para depois tudo ser posto de volta no lugar, uma espécie de engenharia reversa ou algo do tipo. No entanto, às vezes eu sinto que gostaria que Sam tomasse uma dura decisão.
Jensen: Um cavalheiro.
Jared: Sim, um pouco mais cavalheiro. Certamente, às vezes, quer dizer, tem um termo que usamos, “virar homem”… “virar homem e fazer o trabalho.” Agora nós vemos um pouco dele e Amelia onde você quer quer Sam tome uma posição de um jeito ou de outro. E ele acaba tomando uma decisão, mas não necessariamente toma uma posição. E tem ainda uma pequena diferença, e eu queria que ele batesse o pé de vez em quando.
TW: Vocês já pesquisaram sobre o sobrenatural na vida real?
Jensen: Eu soube que a maioria das coisas que fazemos na série, as ferramentas de pactos, as palavras, feitiços e bruxarias, o exorcismo, são todas coisas reais que vêm de pesquisa. Então eu espero que, se algum dia encontrar algo sobrenatural na vida real, eu tenha oito anos de experiência para combater.
Jared: Eu acho que há monstros e demônios e outras coisas assombrando o mundo agora, talvez eles liguem a televisão e pensem: “Ah, vamos deixar esses caras em paz.”
Jensen: “É, esses caras são bons.”
Jared: “Eles sabem o que estão fazendo. Eles são bem durões, então…”
Jensen: É. “Eles podem não ser médicos, mas mas interpretaram esse papel na TV.”
Jared: Isso.
Jensen: Você deve ouvir as histórias sobrenaturais de todo mundo, porém.
Jared: Um dia ou outro ,às vezes. As pessoas chegam dizendo. “Ah, meu Deus. Eu vi um episódio em que isso aconteceu e me fez lembrar da vez em que eu vi isso.” E você fica tipo: “E o que você fez? Pegou o sal?” Então os fãs são muito divertidos. Os fãs da série são certos, não são fãs casuais. Pessoal, quando é pra conhecer a série, eles conhecem, o que é muito legal. É uma maravilha ter um público tão dedicado e seguidores leais. Virou uma parte da série e já fizemos episódios sobre nossos fãs. Então isso é divertido, e eles certamente compartilham suas histórias conosco.
TW: Jared, como foi que mudou de ideia de engenharia para atuação?
Jared: No verão antes da faculdade, eu fiz um teste para ser apresentador do troféu Teen Choice Awards, e eu venci e conheci um agente. Quero dizer, eu atuava no ensino médio.
Jensen: Destino (Risos).
Jared: Destino, é. Sorte. Quem sabe. Alguma coisa sobrenatural. Mas, é, eu sempre atuei na escola, mas não era algo que eu considerava uma carreira; O que eu iria fazer, ir para Hollywood? Mas Hollywood veio até mim se intrometendo, e desde então tem sido muito divertido.
TW: Agora que você está em Hollywood, como equilibra tudo?
Jared: Nós dois crescemos no Texas onde as pessoas não ficam pensando em ir para Hollywood algum dia. Vocë meio que tem que criar raízes ou algo do tipo.
Jensen: Não está geralmente escrito.
Jared: É, não está escrito. E eu acho isso bem legal. É algo que é capaz de, eu sinto, nos manter focados, porque fomos criados com uma moral e ética e um pouco de trabalho duro, uma boa ética de trabalho onde você não quer abandonar tudo por um pouco de fama. E eu não acho que eu já tenha ido atrás da fama. Há certas coisas que podemos fazer para ser mais famosos. Poderíamos desfilar em tapetes vermelhos toda noite e poderíamos ir à festas ou poderíamos sair para beber com todo mundo. Mas nós meio que gostamos de contar histórias.
Jensen: Esse não é o trabalho, porém.
Jared: Sim.
Jensens: Eu acho que nós dois temos uma ética de trabalho, e eu acho que em parte um ingrediente do nosso sucesso, até agora, é que ele e eu entendemos que há trabalho a ser feito e precisa ser feito e precisa ser feito profissionalmente.
Jared: Exatamente. Verdade.
Jensen: E nós trabalhamos duro para fazer isso acontecer, e é um emprego. Entendemos que é a nossa profissão que nos trouxe aqui. É o que fazemos. É por isso que estamos falando com vocês. Porque é nisso que temos nossa paixão.
TW: Vocês sentem alguma pressão do showbiz e em estar em boa forma nos tapetes vermelhos?
Jensen: Eu acho que sim, provavelmente. Eu acho que se nos perguntasse isso no começo da série, diria que com certeza.
Jared: Sim.
Jensen: Mas isso já faz oito anos e nós crescemos desde então. Eu acho que agora é mais sobre estar saudável para que possamos aguentar as longas horas no set e podermos manter uma vida mais vibrante. É qualidade de vida também que ele e eu temos meio que ficado de olho um no outro. Nós temos que ter certeza de que precisamos fazer nosso trabalho, mantê-lo ético, mas também ter uma boa qualidade de vida.
Jared: E muitas vezes é uma estranha ironia quando você consegue o que realmente quer. Quer dizer, quando fomos escalados como Sam e Dean, muitas pessoas apostaram alto na gente, que iríamos fazer essa série acontecer e trabalhar duro cuidando de nós mesmos. Então de cara, você fica muito nervoso e se sente meio, “Ah, meu Deus, eu quero trabalhar duro.” Isso pode acabar te pegando por trás se trabalhar duro demais, se pegar mais do que aguenta, se ficar muito estressado, se se ficar preocupado demais com tudo. Eu me lembro de Peter O’Toole e ele disse que o segredo é ensaiar, ensaiar, ensaiar e então esquecer tudo, apenas deixar ir. Você fez o trabalho, agora confie em si mesmo e deixe fluir. Se você joga basquete ou futebol e ficar apenas correndo o jogo todo, vai acabar tropeçando e se enrolando com os outros. E Supernatural é feito meio assim. Começamos com isso de fazer uma nova história toda semana, que seria sobre mitos e lendas urbanas. Mas agora temos cerca de 160 episódios e teremos cerca de 170 ao fim da temporada. Então não podemos ficar mais nessa equação. Temos que encontrar um caminho alternativo. E na minha opinião, isso fez a série ainda melhor. Eu sinto que as histórias que contamos e os arcos de personagens que construímos baseados naquele conceito original beneficiaram a todos.
TW: Muitos de seus fãs descobriram a série assistindo a temporadas inteiras a partir do começo. E muitos mais ainda virão depois que a série terminar. O que vocês acham desse novo jeito das pessoas experimentarem seriados e o seu seriado e se vocês tem uma boa relação com os outros seriados?
Jared: Eu acho isso maravilhoso. Eu tenho que achar. É o único jeito que tenho em ver uma série, e ele também.
Jensen: Pois é.
Jared: Não podemos sentar toda quarta-feira às 18h em frente a uma televisão, ou toda sexta-feira às 17h para ver uma série. Temos que assistir em DVD.
Jensen: Se tivéssemos uma vida normal, poderíamos.
Jared: Com certeza.
Jensen: Mas estamos trabalhando das 7h da segunda e parando de trabalhar às vezes como hoje, às 4:30 da manhã, em um país diferente.
Jared: Sim. É isso. Exato. Eu acho que é maravilhoso. Eu penso em acessibilidade. Quer dizer, o fato de ter acesso à Internet para poder assistir à série é impressionante. E até agora, a CW não pode necessariamente estar em todas as emissoras ou em todas as TVs nos EUA ou ainda em todo o mundo. Mas agora com essa acessibilidade, mais pessoas podem ver a história que estamos contando e participar.
TW:Se vocês fossem fazer um cross-over, que série gostariam de participar em conjunto?
Jared: Eu acho que seria divertido. Agora, obviamente The Vampire Diaries ou Arrow. Quer dizer, Arrow, obviamente. Ele acha que está fazendo tudo pela cidade, mas os garotos Winchester podem pensar o contrário. Então, obviamente iríamos caçar nossa cota de vampiros. Obviamente não poderíamos matá-los e nem poderíamos matá-los. Isso seria infeliz, não? Mas seria muito divertido participar disso.
TW: Agora vocês podem comprar um DVD e assistir uma temporada inteira. Algum de vocês já fez isso com alguma série?
Jensen: Eu estou fazendo isso agora com Boardwalk Empire.
Jared: Arrested Development. Por filmarmos no Canadá, eu pego voos para casa nos fins de semana para Los Angeles frequentemente. Então isso me dá algo pra assistir no avião.
Para ver mais sobre as aventuras sobre os Irmãos Winchester em Supernatural, fiquem ligados para os novos episódio de Supernatural, às Quartas, voltando em 20/03, na CW.

 

Agora a entrevista totalmente pessoal:
 
Entrevistador: Primeira pergunta:Durão ou molenga?
Jared: Qual de nós?
Entrevistador: Ambos.
Jared: Bem, por conta de nossos personagens em Supernatural, Dean é o machão e Sam é mais sensível, as pessoas sempre esperam que eu seja o gentil dos dois.
Jensen: Não é só o que pensam, é verdade.
Jared: É, eu admito, às vezes eu sou mesmo um molengão.
Jensen: Você chorou ou não chorou vendo Toy Story 3?

Jared: Sim, mas pelo menos sou homem o bastante para admitir. Você ainda acredita naquele princípio pré-histórico de que “homem não chora”.
Jensen: Valores antigos que vale a pena manter.

Jared: Sabe de outra coisa que ele faz? Ele supera as coisas muito fácil. É tão insano que é quase patético. Uma vez eu fiquei olhando impressionado como um produtor acabou com ele, deu uma bronca horrível, e aí Jensen apenas sorriu pra ele e disse: ‘Terminou? Vamos lá tomar uma cerveja. Você obviamente precisa esfriar a cabeça.’ Eu penso muito mais e tenho que absorver as coisas e lidar com o que me foi dito.

Jensen: mas você também pode ser assim, às vezes. Você é modesto e sossegado e também evita conflito. Você é bastante sarcástico e sabe transformar tudo em piada. Pode ser uma situação de vida ou morte e mesmo assim você faz todo mundo rir. E você também é um daqueles caras que gosta de ficar na sua de vez em quando. Então acho que você não é tão molenga.
Jared: Obrigado?
Jensen: Disponha.
Entrevistador: E na vida real: amigos ou irmãos?
Jensen: Isso é quase impossível de explicar. Nove meses por ano estamos juntos literalmente 24 horas sete dias por semana porque estamos trabalhando no show. Mesmo fazer muita coisa sozinho no tempo de folga é difícil. Nós estamos constantemente juntos. E quando não estamos trabalhando juntos durante esses nove meses, ou seja, nos outros 3 meses do ano, nós sempre nos pegamos escolhendo fazer coisas juntos.
Jared: Nós até já moramos juntos!

Jensen: Foi mesmo.

Jared: Fomos no casamento um do outro!
Jensen: Fomos mesmo.Jared: E quando saímos do Canadá em férias, combinamos de passar o Natal com as famílias juntas no Texas!
Jensen: Verdade. Mas o que estou dizendo é que se comparar nosso relacionamento ao de Dean e Sam no show, há uma diferença enorme. Jared nunca me dá nos nervos.
Jared: Eu não diria nunca.
Jensen: Não de verdade. Podemos falar um com o outro sobre fazer qualquer coisa um para o outro e eu acho que é difícil ver dois caras da nossa idade fazendo isso, especialmente porque a gente nunca chega a fazê-lo.
Jared: É. E sempre quando a gente brigou foi um pelo outro! Tipo, eu faço ou digo algo e ele também e a outro pode não gostar, mas no fim das contas estamos fazendo aquilo para proteger um ao outro e nunca contra ele.
Jensen: Eu acho que temos um tipo de lealdade em que posso dizer honestamente que confio minha vida a esse cara e acho que em relevância a Dean por Sam, eu pularia diante de uma bala por ele a qualquer momento, sem pensar duas vezes.
Jared: E a melhor parte do meu relacionamento com Jensen é que vai ser assim estando no show ou não. Quero dizer – infelizmente para ele -, ele vai ter que me aguentar pelo resto da vida agora, e isso é importante. Mas veja, irmãos e irmãs também brigam. Ou pior;às vezes não se dão de maneira nenhuma. Entre Jensen e eu nunca houve nenhum problema e eu acho isso especial.
Jensen: Nós somos melhores amigos, ponto final. Ele é meu melhor amigo pro resto da vida. Não sei se isso é algo notável, mas é definitivamente especial.
Entrevistador: Otimista ou pessimista?
Jensen: Eu sou muito otimista e normalmente tento ver o lado bom das pessoas. Sou mente aberta, mas não necessariamente extrovertido. Sou conhecido como alguém que trabalha duro, é realista e não gosta de complicações. Prefiro ficar longe do tapete vermelho de Hollywood e evitar os paparazzi. Prefiro me concentrar no que é real para mim e minha carreira.
Jared: Sim, eu me reconheço nessa. Não tenho nada a acrescentar! Eu sou mais otimista que os irmãos Winchester juntos!
Jensen: Dude, isso não chega a ser demais?
Jared: Dude, não.
Interviewer: Vaidoso ou largado?
Jared: Você primeiro!
Jensen: Tá bom, obrigado de novo. Eu já fui modelo. Por conta disso, sou treinado para me importar com minha aparência. Ou melhor: estar atento à minha aparência perante os outros. Eu adoro bons ternos de vez em quando e, sim, meu cabelo precisa estar legal antes de eu sair de casa. Só isso. Não sou o tipo de pessoa que vai a salões de beleza e tal. E eu não pago 500 dólares por um corte de cabelo. Eu gosto de ser eu mesmo e ‘eu mesmo’ é ser um cara do Texas. Gosto de usar cabelo curto e estar de barba feita e roupas clássicas e não curto tattoos ou piercings ou essas porcarias. Acho que alguns podem me achar um ‘coxinha’ ou sei lá, mas tanto faz.
Jared: Jensen acha que é um cowboy.
Jensen: Eu não vou comprar um rancho ou nada disso.
Jared: Mas acha que é um cowboy em essência.
Jensen: Acho que sim.
Jared: Pra mim, quando o assunto é roupa eu não sou nada vaidoso, mesmo. Eu visto o que gosto e que normalmente é o que encontro largado no meu quarto quando me levanto de manhã. Como hoje: estou usando um gorro porque meu cabelo estava horrível e eu não tive vontade de arrumar e não estou vestindo nada especial, estou?
Jensen: Só uma camisa de flanela como você e Sam sempre usam.
Jared: É. Porque suas roupas são sempre tããão estilosas.
Jensen: São mesmo.
Jared: Mas eu não sou tão ligado no meu corpo. Meu maior medo é ficar muito gordo.
Jensen: Porque existem mesmo muitos gordos de quase dois metros por aí. Ele reclama tanto e só por conta de sua altura ele jamais vai ter que se preocupar, como o resto de nós. E ele prova isso. Ele come como se fosse sua última refeição em todas elas.
Jared: Pode acabar sendo a última, nunca se sabe!
Jensen: Nós fazemos um estoque especial quando o Jared nos visita. E quando nós morávamos juntos, eu nunca me incomodei em fazer as compras, porque o que eu como em 5 ou 6 refeições o Jared come em um lanche.
Jared: Eu não sabia que era por isso que você nunca fazia compras para a despensa! Eu pensava que você me achasse melhor nessa tarefa!
Jensen: Comprar comida?
Jared: É!
Jensen: De qualquer forma, me lembro que uma vez tivemos uma cena em que ele tinha que cavar uma sepultura sem camisa. Cara, eu ria tanto. Ele reclamou da cena um tempão e malhou muito. Para ser honesto, com bons resultados. Mas no momento em que estávamos gravando a cena, ainda na primeira ou segunda tomada, ele queria começar a cavar. Mas ele ficou fazendo palhaçadas e acabou rasgando a calça. E a melhor parte é que a câmera estava bem atrás dele e captando todas as brincadeiras que ele estava fazendo! Eu acho que me deitei no chão de tanto rir por pelo menos meia hora. E mesmo depois disso, tivemos que gritar ‘corta’ até conseguirmos ficar sérios o bastante e fazer a cena. E o bobão ainda piorou as coisas quando disse: “Porra, eu treinei tanto só pra rasgar as calças?!”
Jared: Você não conseguia olhar sério para mim por semanas depois daquilo.
Jensen: Ah, eu ainda não consigo! Nunca consegui.
Jared: Estou aqui pensando em alguma história embaraçosa para contar sobre você, mas não consigo pensar em nenhuma que não vá me enrascar tanto que você nunca mais fale comigo.
Jensen: Essas histórias não existem.
Jared: Sabe o que é nojento? Eu sempre quis te dizer isso. Você enche demais a boca de comida e acha que consegue falar ao mesmo tempo e isso é nojento. E também que sua calça sempre fica caindo tipo até aparecer metade da sua bunda e isso não fica legal, especialmente porque eu nunca ouvi seu disco de hip-hop e porque isso não tem a ver com ‘vaidade’…
Enrevistador: Equilibrado ou supersticioso?
Jensen: Eu não diria que sou supersticioso, mas sem dúvida acho que há algo entre céu e terra. Mesmo o inferno. Sou aberto a experiências espirituais, embora nunca tenha precisado de sal para banir espíritos da minha casa.
Jared: Eu acredito firmemente que as coisas acontecem por um motive. Isso pode soar melodramático, mas eu acredito em coincidências. E também acredito que não somos as únicas criaturas no universo. E nós dois dormimos com armas com sal embaixo de nossas camas. Ele está mentindo.
Entrevistador: Nerds or cafajestes?
Jensen: Nerd! Só a palavra já é engraçada.
Jared: Nerd também! Embora as pessoas costumassem dizer que eu me parecia com Matt Damon e hoje digam que eu pareça o Brad Pitt.
Jensen: Certo. Continue dizendo isso a si mesmo. Eu nunca ouvi ninguém te comparando a esses atores muito mais talentosos.
Jared: Mas é uma escolha difícil. Quem se descreve como nerd? Ou cafajeste? Quem fizer isso, devia levar seu xixi para o médico analisar imediatamente.
Jensen: Claro que notamos o grupo de mulheres que nos segue. É muito lisonjeiro, mas não é algo que toma nosso tempo. Assim como não nos preocupa quem é mais popular. Em primeiro lugar, o sucesso de Supernatural está na história. Sabemos que todas essas mulheres e fãs são apaixonadas por Dean e Sam e não por Jensen e Jared (N. da T: bobinho!). Isso não muda o fato de que Jared é mais feio que eu e não é tão bom ator, claro. Não é culpa dele.
Jared: Quando ele começa a fazer esses comentários, eu normalmente pego doces e começo a chorar.
Jensen: Tem doce aí?
Jared: Não! Eu comprei um sacão, mas Misha roubou!
Jensen: Idiota.
Jared: Nem fala. Espere aí, vou mandar um sms pra ele.
Jensen: Em resposta à sua pergunta, sério agora: é claro que sabemos que Supernatural é transmitida no mundo todo. E seria estranho que pelo menos uma das fãs entre todas elas não gostassem de um de nós. Mas nós não temos tempo de nos importar com isso. Trabalhamos 16 horas por dia por meses a fio.Você não se incomoda em como está a sua imagem nessas horas restantes.
Jared: Não?
Jensen: Não.
Jared: Bem, eu me incomodo. Trabalhar 16 horas por dia não soa nem um pouquinho nerd, a propósito.
Entrevistador: E depois de Supernatural: carreira na TV ou no cinema?
Jared: Ambas têm vantagens e desvantagens, mas seria bom poder combiner as duas. Trabalhar em uma série de tv é um trabalho fixo: você trabalha em um só lugar e tem trabalho garantido e um salário. Além disso, eu considero uma vantagem poder trabalhar em uma série com meu melhor amigo. Nós fizemos um acordo que Supernatural vem antes de qualquer filme ou qualquer trabalho que nos oferecerem, assim como Jensen e eu nos sentamos e concordamos na segunda temporada que ganharíamos a mesma coisa, não importa quem tivesse mais tempo de tela. Mas seria bom ser possível fazer um filme ao mesmo tempo. Como Jensen fez Dia dos Namorados Macabro (My Bloody Valentine) e eu Sexta-feira 13 (Friday the 13th). Mas novamente, até Supernatural acabar, nós sempre  tomamos essas decisões juntos e de acordo com o que achamos melhor para o show e nossos papeis nele e nossas famílias e no tempo passado fora do show.
Jensen: Esses filmes aconteceram de se encaixar perfeitamente em nosso cronograma e foi muito divertido fazê-los! Olha, nós não impedimos um ao outro de fazer esses projetos. Mesmo ligando um para o outro para lembrar o quanto o clima é mais relax e confortável no set de Supernatural. E sim, às vezes dizemos um ao outro que vai ser legal poder trabalhar juntos novamente.
Jared: Em outras palavras: logo você poderá nos contratar como dupla novamente!
Jensen: Sim. Quando a série acabar, vamos continuar fazendo trabalhos juntos.
Jared: Seremos Jack Lemmon e Walter Matthau dessa geração.
Jensen: Vai ser ótimo. Podemos fazer turnê, como os Smothers Brothers.
Entrevistador: Perguntas relâmpago. Estão prontos?
Jared: Pode mandar!
Jensen: Booya!
Interviewer: Apelido?
Jensen: Yousy.
Jared: Sasquatch (Pé Grande).
Jensen: Beavis.
Jared: Butthead. Espera, estamos falando os apelidos um do outro ou os nossos?
Jensen: Siga!
Jared: Ok! Ahn… ‘ei, cara alto pra caramba, pode sair da frente?’
Jensen: ‘Ei, eu não sabia que você tinha altura de um cara normal. Na tv você parece tão baixinho, cara… pode sair da frente?’
Jared: O Dean melhorado.
Jensen: Ok. Eu acho que ta na hora de parar.
Entrevistador: Cidade favorita?
Jensen: Los Angeles.
Jared: Sério?
Jensen: Bem, pra trabalhar.
Jared: Dallas.
Jensen: Você é um sacana.
Entrevistador: Cor do cabelo?
Jensen: Eu acho que sou naturalmente meio que um loiro escuro.
Jared: Falou, Ken. Castanho.
Entrevistador: As melhores qualidades do outro?
Jared: Bela bunda!
Jensen: Risada e sorriso bonitos!
Jared: Ahn… Jensen é um ótimo amigo, um ótimo cara, bom ouvinte e extremamente fiel.
Jensen: Ok. Acho que tenho que falar bem de você, certo? Ahn… Ele é divertido, preocupado e de bem com quem ele é.
Entrevistador: E os piores defeitos?
Jensen: Meu Deus, lá vamos nós.
Jared: Ele é um controlador! E muito organizadinho. E você não tem ideia do quanto essas coisas podem se tornar os traços mais chatos do planeta!
Jensen: Quando ele peida, você consegue sentir o cheiro em outros planetas! E ele peida muito.
Entrevistador: E suas próprias melhores qualidades?
Jensen: Oh, eu sou lindo!
Jared: Eu sou tão bonito!
Entrevistador: Seus piores defeitos?
Jensen: Eu não acho que sou bom em aceitar críticas.
Jared: Sério? Estou surpreso que ache isso. Eu acho que posso ser bem impaciente. E eu gusto de me preocupar.
Jensen: É. Ele jamais sobreviveria como um Winchester. Você se corta com papel e ele acha que você vai morrer.
Entrevistador: Comida favorita?
Jensen: Penne à bolonhesa.
Jared: Isso é nojento. Cheeseburger com mostarda e muito alface e tomate. (cheese-salada em suma, né, Jay?)
Jensen: Isso é nojento.
Jared: Não é. É bom. Você é nojento.
Jensen: Quem põe um monte de mostarda num cheeseburger?
Jared: Jared põe.
Entrevistador: Livro favorito?
Jensen: Lullaby (em português Cantiga de Ninar, de Chuck Pallahniuk, também autor de Clube da Luta).
Jared: O Grande Gatsby (de F. Scott Fitzgerald).
Jensen: Você é tão mulherzinha.
Entrevistador: Filme favorito?
Jensen: 3:10 to Yuma. Ou Gran Torino.
Jared: Ele é apaixonado por Clint Eastwood. Ele acha que os dois vão se apaixonar e se casar um dia.
Jensen: Ele é o melhor!
Jared: Gênio Indomável.
Interviewer: Música favorita?
Jensen: Garth Brooks. O melhor show da minha vida. Meu pai, meu irmão e eu fomos. Nunca vou me esquecer. Eu tenho todos os discos dele. Ahn… eu amo o rei do pop (Michael Jackson, pra quem não sabe), r.i.p. Marc Broussard, Marty Robbins, Stevie Ray Vaughan.
Jared: Tudo o que for country.
Jensen: Sim, country.
Jared: Eu gosto de country, mas Jensen ama country.
Jensen: É.
Jared: Não há nada como ser acordado no seu trailer às 4h da manhã com Taylor Swift tocando no trailer ao lado do seu.
Jensen: Tanto faz.
Jared: O que? Você ama Taylor Swift!
Jensen: Eu sei que amo.
Jared: Você acabou de admitir isso em publico. E eu aqui te chamando de machão agora há pouco.
Jensen: Ela é uma ótima compositora!
Jared: Ahn… eu tenho ouvido muito Pearl Jam ultimamente. Estoiu num momento ‘tudo é Pearl Jam’.
Jensen: Sim. Porque nada como acordar com ‘Jeremy’ tocando no trailer ao lado do seu às 4h da manhã, pela milésima vez.
Jared: Ei! Jeremy é uma música ótima e complicada e emocional! Me ajuda a entrar na cabeça de Sam.
Jensen: E ajuda Dean a sumir de perto.
Jared: Mas não, eu gosto de country. E acho que gusto mais de rock classic que ele. Eu sou mais o Dean no mundo da música e Jensen ouve… Taylor Swift.
Jensen: Deixa pra lá, cara.

Jared: Nem Sam admitiria ouvir Taylor Swift.
Jensen: Sam não tem alma! (aha! Descobrimos mais ou menos de quando é essa entrevista!)
Jared: Dude, confia em mim, não faz diferença.
Entrevistador: Última pergunta – Qual a sua maior ambição para si mesmo e para o outro?
Jensen: Eu quero ser o melhor ator que puder ser para os meus fãs, manter minha privacidade e de minha família, aguentar esse cara aqui e, na verdade, eu gostaria de fazer um western um dia. Sempre achei que isso deve ser legal (Frontierland mais tarde contaria?).

Jared: Sim. Eu quero explorer tudo o que conseguir na área de TV e cinema. E quanto isso acontecer, quero ser muito grato pelo que consegui e jamais deixar isso me subir à cabeça.
Jensen: Você não vai. Eu vou te manter com os pés no chão. Se você ficar metido comigo eu te cubro de porrada.
Jared: Eu sei. Então eu sempre vou ter isso para me apoiar e confiar. E sabe o que eu sempre quis fazer! Estar em um video game! Eu acho que nunca serei famoso para interpreter a mim mesmo em um jogo, e ter uma versão animada de mim mesmo, mas eu quero faze a voz ou sei lá.
Jensen: Você pode fazer a voz do meu personagem no video game.
Jared: Por que você vai ser famoso o bastante e eu não?
Jensen: Claro. Eu já sou.
Jared: Minha ambição para ele é que seja uma pessoa melhor e pare de pegar no pé do cara mais alto.
Jensen: Do cara mais alto?

Jared: Isso não é uma manobra muito inteligente quando você olha para a cadeia alimentar, cara.

Jensen: Você parece o comercial do Extenze (medicamento que promete ‘aumentar’ o homem, se é que me entendem).
Tipo, você é o cara ‘maior’.
Jared: Bem, se você quer colocar as coisas desse jeito…