hue

 

De maneira geral gostei do episódio…

 

Amei de paixão, não, mas com raras exceções não costumo gostar de começo de temporadas, normalmente esses episódios fazem mais sentido depois, com a temporada inteira… Esse episódio foi duro e difícil de assistir, por tudo que aconteceu nele, concordo com algumas coisas e com outras não, então…

 

Vamos lá…

 

O Sam conversando com o Dean/Sam e Bobby/Sam foi muito interessante, eu vi isso como um reflexo do Sam, como posso dizer isso melhor, o Sam conversando com o seu lado Dean (caçador) e seu lado Bobby, mais racional  que representa o pai.

 

Cada um deles falava um pouco mais do que foi a luta de Sam desde que Jessica morreu, acho que uma parte do Sam morreu junto com ela. Vcs podem dizer, mas isso faz tanto tempo, mas foi naquele momento que ele descobriu, de uma maneira não muito agradável, que querendo ou não, ele teria que ser aquilo que ele menos desejava ser – um caçador. Algo que acontece naturalmente para o Dean (eis a razão do Dean estar fazendo esse papel na cabecinha confusa do Moose!!). Por outro lado o Bobby representa o pai – que o John nunca foi para os meninos – alguém com a cabeça no lugar, que dizia coisas que eles precisavam ouvir, mas ao mesmo tempo entendia as besteira que ambos faziam… Eu acredito  que o Sam ficaria numa boa morrendo, porque ele finalmente tiraria o peso que ele carrega, o que ficou bem claro durante a cena da igreja no final da oitava temporada, e a conversa que ele teve com a Morte.  Ele estava tentando compensar  pelas besteiras que tinha feito, e cá entre nós, ele fez muitas. Mas acho que os “trials” foram a maneira de Sam se redimir perante a Dean e a Bobby (lembram-se do que o SoulessSam fez com o coitadinho do Bobby!!!).

 

Uma cena que eu gostei bastante foi do Sam com a Morte (adoro o ator, ele fica 5 segundos e rouba a cena, awesome!!),  o papo entre os dois foi interessante – quando a Morte soube que era a alma de Samuel Winchester, ele mesmo quis fazer as honras, porque não era uma alma para um Reaper qualquer, a Morte tinha que ir lá para recebe-lo – wow que honra… mas será que foi só por isso mesmo que a Morte estava lá??? Eu ainda tenho na minha cabeça uma poucas cenas boas da “bendita” sexta temporada (que Deus nos livre!!), quando a Morte repetiu várias vezes para Dean o quão valiosas eram as almas – imagina uma tão importante quanto de um caçador, e ninguém menos do que Sam Winchester… Acredito que isso ainda vai dar pano pra manga (espero que sim, porque se vi um arco interessante ser literalmente ignorado e quase destruído foi esse na 6a temporada com relação às almas – tomara que nas mãos do Carver e Singer isso seja bem melhor desenvolvido)

 

O anjo Ezekiel, eu não sei que apito toca (essa é pra você Rafa!! kkk), continuando, não sei a que veio  esse lindo anjinho…Não confio nele, assim como não confiei em Benny na temporada passada, e até que se prove o contrário, para mim o Zeke é um anjo de asas sujas, enquanto ele não me provar o contrário, não acredito nele.. e para mim, ele ta querendo é entrar na cabeça do Dean via Sam….vamos ver o que ele vai aprontar, espero estar errada, mas…

 

Ouvi algumas coisas relacionadas ao arco mitológico “quase que inexistente, novamente” do Dean… eu já disse isso e vou ser chatonilda e repetir.. o Dean para mim com ou sem arco mitológico é um dos personagens mais importantes da série, quem é o outro?  Sam Winchester… a série é sobre eles…. e somente sobre eles – qualquer outra estória ou outro  ator/atriz é coadjuvante… se acrescentar bom, caso contrario, eu ignoro…

 

Voltando ao arco do Dean (existente ou não), ele para mim, agiu com o coração e não com a cabeça de caçador.. como sempre… se ele deixasse o Sam morrer, eu ficaria desapontada, porque não seria o Dean que aprendi a amar por nove temporadas… Eu não sei o quão conveniente foi esse tal de Ezekiel aparecer e “estar consertando” o Sam de dentro para fora, isso acho esquisito, mas vamos deixar rolar, como já disse, não confio no Zeke, ele vai ter provar a que veio (ou que apito toca!!!)

 

Eu espero honestamente que o Carver/Singer saibam o que estão fazendo com esse arco, porque podem dar com os burros n’água. Como assim?? A oitava temporada deu um novo fôlego a série, ela voltou a ter – como já disse várias vezes nos podcasts, tesão. Fez os fãs ficarem atiçados novamente e  isso foi ótimo. Espero que a jogada deles nesta temporada tenha a dosagem certa, porque se não tiver desanda… Disso eu tenho medo. Volto a repetir, se o Dean tiver um arco mitológico, melhor. Se não tiver, eu quero que pelo menos o personagem seja respeitado e não transformado num bêbado chato como nas 6ª e 7ªs temporada o que foi um porre. Eu também não aguento mais a tensão sem limites dos irmãos não estarem na mesma sintonia. Brigar de vez em quando, tudo bem, mas ficar de birrinhas uma temporada inteira, já vi isso, não quero de novo. Eu os quero juntos, desvendando a “batcaverna”, dando porrada no Crowley (outro que  não pode sumir) apanhando da Abbadon – uma badass demon de primeira, sendo os irmãos mais velhos do Kevin, trazendo a Charlie para ser a primeira Mulher da Letras, e mandando pau nos anjos caídos. Eu quero ouvir novamente – Bitch e Jerk… eu quero Sam e Dean sendo irmãos e caçadores e Homens das Letras e não com  segredinhos porque eu já vi esse filme, não sou muito fanática pelo final e por isso não quero que se repita…

 

Quanto aos anjos caídos, eles me parecem que  estão mais perdidos do que cachorro que caiu da mudança e com sede de vingança. Contra quem??? Numero 1 a 10000000000 os Winchesters e Castiel – depois deles, sei lá, o resto da humanidade. Estou curiosa para ver o que esses anjinhos de cara e asas sujas vão aprontar…

 

Quanto a Castiel, nenhuma declaração a fazer….

 

É isso minha gente.. a minha percepção deste episódio…

 

Estou esperançosa com essa temporada, que seja muito boa, com ótimos episódios, que não desande e que nos dê mais tesão ainda…

 

Fui.