O cara consegue falar sem dar spoilers!! Pode ler sossegado.

Na última vez que falou conosco você mencionou a introdução de Caim, e na última vez que conhecemos um par de irmãos (Lúcifer e Miguel), eles tiveram um paralelo muito direto e perigoso com Sam e Dean. Vamos ter paralelos parecidos com Caim e Abel e o que pode significar para Sam e Dean?
Carver: Bem, infelizmente não posso falar muito, não quero estragar a introdução de Caim. Mas dá pra dizer, eu acho que há um componente fraternal forte para Caim, que eu não acho que não será tratado. Bem, tem algo que definitivamente não ignoramos.

Com a Guerra no céu, vocês têm discutido colocar Deus na história?
O tópico de Deus frequentemente é um grande tópico de discussões aqui. Para a maioria, fizemos certas sugestões, e certamente discutimos isso. Acho que, para nossos objetivos, Deus como um pai ausente realmente tem nos dado a melhor história até agora, mas como eu disse, tem havido algumas sugestões, que temos deixado em aberto, então não temos totalmente ignorado Deus. Só não trouxemos um personagem com o nome de Deus. É absolutamente assunto de discussão, mas como eu disse, acho que alguns personagens na história que contamos, pelo menos por enquanto, pode ser melhor que não sejam introduzidos.

Quero também falar de Cas ter roubado a Graça de outro anjo. Imagino que isso terá efeitos colaterais, então, o que significa para o futuro de Castiel?
Bem, acho que o mais importante sobre Cas é a ideia de que ele tem uma Graça e que está de volta na briga. Ele volta de um jeito que talvez ele não esperasse ou pedia. A ideia de tomar a Graça de outro anjo certamente é algo que nunca lidamos antes, e sinto que, na maioria das vezes, quando introduzimos alguma coisa, é uma ligeira dobra ou uma nova visão sobre a nossa mitologia, normalmente há uma explicação ou uma consequência e pode ser o caso do Cas também. A coisa imediata é que ele é um anjo de novo. A consequência que eu falo aqui é que ele está – repito – de volta na briga mais ainda do que ele esperava.

De anjos a demônios, o que vai acontecer com Crowley na segunda metade da temporada?
Crowley tomou uma bola curva interessante nessa temporada, que é o fato de que ele está disputando o trono do Inferno, enquanto passa por uma crise pessoal, se é que podemos chamar assim, em que ele, muito para seu desconforto, tem mais necessidade de sangue humano do que deixa transparecer. Eu acho que ele tem um dilema interessante esse ano e me pego pensando “Onde eu quero chegar com isso tudo?” Ele está passando por uma crise pessoal e estamos vendo o Rei do Inferno passar por tudo isso. Nós certamente amamos, e temos muito material para trabalhar e tudo só fica mais intenso e se tornar pessoal e mais forte e mais sujo com a progressão da temporada. Estamos extasiados com a performance de Mark, o que ele traz para o personagem, e com o que os roteiristas estão trazendo em termos de desenvolvimento da trama para esse ano.

Com a morte de Kevin Tran, isso significa que outro profeta vai aparecer?
Bem, deixe-me dizer isso: Nós estabelecemos que, quando um profeta morre, outro profeta é ativado, mas só vou dizer que lidamos com esse assunto. Isso vai ser falado.
[Lembrando: Sim, foi. Metatron apertou uns botõezinhos no Céu e não vai mais surgir nenhum profeta]

Vamos falar do spin-off. Ainda vai ter o pontapé inicial no episódio 20, certo?
É tudo o que posso dizer sobre o assunto, mas sim. No episódio 20.

Já começou a escrevê-lo?
Sim, isso eu posso dizer, sim! Estamos muito empolgados! Achamos que os fãs também ficarão.
Qual tem sido o maior desafio na hora de escrever esse novo mundo?
Estamos numa série que está em seu nono ano, então um desafio importante é como criar um show que seja totalmente novo e que parece estar ligado ao que já é conhecido, mas entrando em um universo novo, em que não pareça que você está se repetindo? Mas depois de nove anos, você já cobriu um território enorme, então penso que todos aqui estão muito animados por ter feito isso. Criamos um show que seja relacionado ao mundo de Supernatural, mas que ainda assim tenha muita história para contar, porém sem pisar no terreno da nave-mãe. Você terá dois shows que serão capazes de conviver em total harmonia, penso eu.