Olá para todos. Com muito orgulho apresentamos a mais nova coluna do Supernatural is Life, a Rituale Romanum. Tal coluna terá um objetivo muito similar ao da Lore, a qual foca na mitologia em geral de uma certa espécie, na maioria das vezes. A Rituale focará na mitologia de apenas um personagem por postagem.
Há várias informações interessantes sobre a mitologia de personagens importantes no arco de Supernatural que podemos e iremos compartilhar com vocês. Verão a Riatuale frequentemente em ação. Postarei a primeira em meu nome, mas quero deixar bem claro que esta, toda e qualquer outra edição será feita com a ajuda do Gustavo, nós seremos os responsáveis por ela. No entanto, o fato de estar postando com minha conta não significa que fiz tudo sozinho, pois não fiz – e nem irei fazer.
A primeira edição da coluna, como puderam ver, será sobre Caim, um dos personagens de maior relevância adicionados recentemente. Entraremos fundo na história do cara do Antigo Testamento, como descrito por Dean, portanto a postagem pode vir a se tornar um pouco extensa. Porém, não se desanimem. Muito pelo contrário. Absolvam para si mesmos a maior quantidade possível de conhecimento sobre o primogênito de Adão e Eva, Caim. Aproveitem.

 

Introdução

Caim é um personagem do Antigo Testamento da Bíblia, sendo o filho primogênito de Adão e Eva. Em hebraico, Caim significa “lança”, sendo que a sua transliteração seria Qayin. Este nome também é associado a uma outra forma verbal, “Qanah”, que pode significar “obter” ou “provocar ciúme”. Algumas obras associam o nome com a expressão “algo produzido”. De acordo com a Bíblia, Caim teria sido um dos primeiros homens nascidos de gravidez normal na Terra (não exclusivamente o primeiro), resultado das relações sexuais entre Adão e Eva. Gênesis 4:1 esclarece: “O homem conheceu Eva, sua mulher; ela concebeu e deu à luz Caim, e disse: ‘Adquiri um varão com a ajuda de “Deus, o Senhor”‘” (Bíblia de Jerusalém).

Caim leva Abel à morte (por James Tissot).

Caim leva Abel à morte (por James Tissot).

Possuído por ciúmes, Caim armou uma emboscada para seu irmão. Sugeriu a Abel que ambos fossem ao campo e, chegando lá, Caim matou seu irmão; este teria sido o primeiro homicídio da história da humanidade. Após ter matado Abel, Caim teria partido para a “terra da Fuga (Nod ou Node), ao leste do Éden”, levando consigo a sua esposa, cujo nome não é mencionado na Bíblia. Após o nascimento de seu filho, Henoc (Enoque), Caim empenhou-se em construir uma cidade, dando-a o nome de seu filho.

Caim matando Abel (por Peter Paul Rubens).

Caim matando Abel (por Peter Paul Rubens).

Para alguns, o ato da sua concepção mantém-se um enigma, uma vez que defendem o fato de Caim ser o resultado do relacionamento de Eva com a Serpente. Existe a doutrina religiosa que entende que o pecado original teria transcorrido com um ato sexual entre Eva e Satanás, decorrendo uma linha de descendência satânica a partir de Caim. A doutrina chama-se A Semente da Serpente e tem origem em alguns textos rabínicos. Na tradução do Antigo Testamento, a partir do aramaico ou do hebreu, a palavra “semente” quase sempre é transliterada com o sentido de Progenitor, como uma metáfora de Fertilidade. Os que defendem esta doutrina, acreditam que os tradutores, com o passar do tempo deixaram de fazer estas referências em suas traduções, reduzindo o impacto do conceito.
Segundo o Livro dos Jubileus, Caim nasceu na terceira semana do segundo jubileu, Abel na quarta semana, e Avan (Awan, irmã de Caim) na quinta. Caim matou Abel no primeiro ano do terceiro jubileu. Na sexta semana do quarto jubileu, Caim tomou sua irmã Avan como esposa, e desta união nasceu, no final do quarto jubileu, Enoque. No primeiro ano da primeira semana do quinto jubileu, casas foram construídas e Caim fundou a primeira cidade com o mesmo nome de seu filho Enoque. No sétimo ano da sétima semana do décimo nono jubileu, Caim morreu, quando a sua casa desabou em cima dele; ele morreu por uma pedra, pois havia assassinado Abel com uma pedra.
Caim é muitas vezes referenciado na cultura popular. Podemos tomar como exemplo o Universo do jogo de RPG Vampiro: A Máscara, onde Caim é o primeiro vampiro. No RPG, é explicado a linhagem dos vampiros tendo Caim como o “Pai dos Vampiros”. Quanto mais distante for a descendência, mais fraco é o sangue de Caim nos novos vampiros. Esse fato é descrito no RPG como “Time of Thin Blood” (tempo de sangue fino), que precede ao Gehenna, algo como o fim do mundo para os vampiros. Outras referências a citar: o livro “Caim”, de José Saramago, que apresenta o Antigo Testamento sob o ponto de vista de Caim; a banda Avenged Sevenfold (Vingado Sete Vezes), que referencia Caim em seu próprio nome; a série Assassin’s Creed, na qual Caim é o primeiro “Templário” da história e matou seu irmão Abel para tomar um pedaço do Éden que estava sob o seu poder; a música “Children of Cain” de Marilyn Manson; entre outras.

 

Origens

Caim, por Henri Vidal, Jardin des Tuileries, Paris.

Caim, por Henri Vidal, Jardin des Tuileries, Paris.

O nome de Caim (Hb Qayin, ou seja, lança), é idêntico ao nome Kenite (Queneu – também Qayin em Hebraico), o que levou alguns estudiosos a especular que a maldição de Caim pode ter surgido como uma condenação dos Queneus. Na Bíblia Hebraica, no entanto, os Queneus são geralmente descritos favoravelmente, e podem ter tido uma influência importante sobre a religião Hebraica inicial. Não há consenso claro quanto ao quê a marca de Caim se refere. A palavra traduzida como “marca” em Gênesis 4:15 é ‘Owth, o que poderia significar um sinal, um presságio, um aviso, ou uma lembrança.
Segundo o Judaísmo, Abba Arika (“Rab”) disse que Deus deu a Caim um cão, tornando-o um exemplo para assassinos. Abba Jose ben Hanan disse que Deus fez um chifre crescer em Caim. R. Hanin disse que Deus fez Caim um exemplo para os penitentes. Rashi comenta sobre Gênesis 4:15 que a marca era uma das letras hebraicas do Tetragrammaton (o theonym [nome próprio de uma divindade] hebraico comumente transliterado em letras latinas como YHWH): “Deus gravou uma carta de Seu nome sobre a testa [de Caim]”.
Em Cabala (método, disciplina e escola de pensamento do judaísmo), o Zohar (trabalho fundamental na literatura do pensamento místico judaico) afirma que a marca de Caim foi uma das vinte e duas letras Hebraicas de Torá (Bíblia Judaica), embora o Aramaico nativo de Zohar na verdade não nos diz qual das letras era. Alguns comentaristas, como o rabino Michael Berg, em seu comentário Inglês no Zohar, sugerem que a marca de Caim era a letra vav (Waw).
De acordo com a Cristandade, Orígenes afirmou que todos os descendentes de Caim pereceram no dilúvio, e que, portanto, toda a humanidade descende de Seth (terceiro filho de Adão e Eva).

 

A Maldição de Caim

A narrativa da maldição de Caim encontra-se no Gênesis 4:11-16. A maldição criou-se quando Caim acabara de assassinar seu irmão Abel e posteriormente mentir sobre o assassinato para Deus. Quando Caim espalhou o sangue de seu irmão, a terra tornou-se amaldiçoada. De certo modo, a terra “bebeu o sangue de Abel”. Gênesis 4:12 dá a segunda parte da sentença da maldição de Caim. A primeira fora sobre a terra amaldiçoada pelo sangue de Abel.
Caim tentara produzir na terra, a terra não produzira alimentos para ele. Isto pode explicar porque ele acabara construindo cidades, ou seja, a cidade de Enouch (ou Enoque). A segunda parte da maldição transforma Caim em um fugitivo e andarilho. Caim passou a viver um estilo de vida nômade, além de ser excluído da unidade familiar. Caim passara por uma aflição física, que quando testemunhado pelos outros, saberiam quem ele era.

 

A Marca de Caim

A Marca de Caim é a promessa de Deus para Caim, sendo uma divina proteção de sua morte prematura. Acabara sendo com o objetivo de impedi-lo de ser assassinado. Não se sabe o que a marca é, fora assumido que a mesma é invisível. Alguns especulam que a marca é uma letra Hebraica colocada no rosto ou braço. A Septuaginta traduz a marca como um “sinal”. Assim, especula-se que a marca serve como um sinal aos outros para não cometer o mesmo delito.

 

Finalizaremos a primeira edição da Rituale Romanum com um pequeno parágrafo dirigido a pequenas teorias e percepções do que vimos a respeito da Marca de Caim até agora. Esperamos que tenham se divertido com a nova coluna e que possamos trazer-lhes muito mais informação e conhecimento sobre algo que tanto gostamos. Até a próxima!

Jensen acabara de dizer em uma entrevista sobre os efeitos que a Marca de Caim causará em Dean. Segundo ele, Dean ficará mais forte e instável mentalmente. Sendo um caçador mais frio, menos emocional quando trata-se do trabalho. E eu, Gustavo, fico triste por isso. Pois é um momento que Dean precisara de Sam, e ele não está lá. Jared também comentou sobre isso, dizendo que é um paralelo do sangue de demônio na 4ª temporada para Sam, e agora a Marca de Caim para Dean. Tratando Dean assim pois o vê nele. Será algo interessante para abordar, pelo fato de o arco principal ser de Dean. Ele sofre com as consequências por sacrificar-se à matar Abaddon. Nesses últimos anos fora Sam que sofreu com alucinações com Lúcifer, fora para o inferno, fora quase morto pelos testes. Desta vez, é Dean. Criavam-se teorias interessantes, como a de a Marca de Caim ser a responsável pelo afastamento de Sam. Uma das consequências de tê-la. Eu particularmente não aceito o fato de Sam não se opor a salvar o Dean caso ele morresse. Seria uma boa explicação.